Expovinis 2008: Impressões sobre a maior feira de vinhos da América Latina

Nos dias 28, 29 e 30 de abril São Paulo foi palco do principal evento de vinhos da America Latina: a Expovinis. Em paralelo, ocupando 1/4 do espaço da feira no anexo inferior direito, também aconteceu a Epicure, voltada aos charutos e a Brasil Cachaça. Em termos práticos, uma boa idéia para estes dois últimos eventos conseguirem exposição, uma vez que sozinhos não teriam a envergadura necessária para estruturar um evento de porte. Até porque no segmento de charutos nacionais estamos restritos a meia dúzia de fabricantes. E quanto à cachaça, o setor ainda é pouco organizado e muito pulverizado em pequenos produtores.

Este ano o espaço escolhido foi o Transamérica Expo Center na Zona Sul, muito amplo e com boa ventilação, tornando um pouco menos exaustivo o tour pelos stands. Sommeliers, proprietários e responsáveis por compras em restaurantes, adegas, delicatessens e supermercados puderam, nesse primeiro dia de feira dirigida a profissionais, conhecer mais produtos e trocar figurinhas diretamente com produtores e importadoras. A maioria dos stands ficou lotado, repleto de visitantes ávidos para provar vinhos, consultar preços, condições de entrega, e é claro, fechar negócios. Como visitei apenas o primeiro dia, não sei o quanto valeu a pena para o consumidor final que pagou os R$30 de entrada (sem contar R$20 de estacionamento). Sem dúvida para os iniciantes uma feira como essa representa um grande estimulo para mergulhar no fascinante mundo dos vinhos.

A Expovinis 2008 também foi bem representativa no que tange aos produtores nacionais (vamos falar mais desses vinhos nos próximos posts).

Grandes vinícolas como a Miolo Wine Group e a Salton contaram com amplos espaços onde expuseram suas principais marcas. Ainda do Rio Grande do Sul a pequena vinícola Lidio Carraro apresentou novidades como o interessante Elos Cabernet Sauvignon/Malbec, e mostrou ousadia com dois vinhos confeccionados com duas uvas emblemáticas da Espanha e da Itália, o Singular Tempranillo e o inusitado Singular Nebbiolo, com produção limitada a apenas 1.320 garrafas. Da série Lidio Carraro Grande Vindima um dos rótulos apresentados foi o potente e concentrado Tannat 2005.

Se as vinícolas do Rio Grande do Sul já mostraram sua capacidade de produzir bons vinhos e brigar por um espaço na mesa dos brasileiros, o que dizer dos vinhos catarinenses? Primeiramente, não há dúvidas que este estado goza de um enorme potencial para produzir vinhos de qualidade. A cada safra os vinhos dessas vinícolas ficam melhores; um sinal que os produtores estão evoluindo na sua curva de aprendizado.

O espaço da Associação Catarinense dos Produtores de Vinhos Finos de Altitude – ACAVITIS reuniu vinícolas como a Villagio Grando de Caçador, Quinta da Neve e Sanjo de São Joaquim, Vinícola Santa Augusta de Videira entre outras.

Produtores do exterior também marcaram presença como o simpático enólogo italiano Vittorio Fiore da Azienda Podere Poggio Scalette.

Provei o excelente Il Carbonaione Scalette da propriedade de Ruffoli com aproximadamente 10 hectares situada na região de Chianti Clássico. Um supertoscano 100% sangiovese muito classudo, encorpado e com uma ótima acidez. E, não tive como deixar de provar o delicioso Castelluccio Massicone de sua outra propriedade localizada em Forli-Cesena na Emilia Romagna. Um vinho IGT. produzido a partir de um blend de 50% Cabernet Sauvignon e 50% Sangiovese, simplesmente uma beleza!

No rol dos argentinos conversei com Federico Cassone da Bodega Familia Cassone de Mendoza. Muito entusiasmado Federico falou sobre a filosofia da vinícola e colocou à prova seus vinhos. O Obra Prima Malbec Reserva realmente se destaca pela concentração e expressão ao melhor estilo da Malbec; alguns dos seus vinhedos em Luján de Cuyo chegam a ter mais de 90 anos. Já no stand da ProMendoza encontrei Matias Sánchez Nieto da Eral Bravo. Seu avô Don Nicanor Nieto fundou uma das mais prestigiadas Bodegas de Mendoza a Nieto Senetiner. Hoje a família Sánchez Nieto está à frente de um novo projeto a Eral Bravo. Porém, Matias confessou sua insatisfação quanto ao trabalho realizado pelo seu ex-parceiro no Brasil (ao que me consta seria a Best Wines). Na feira Matias estava em busca de uma nova importadora para distribuir seus vinhos no Brasil. E diga-se de passagem que vinhos! O complexo e estruturado Eral Bravo YBS um elegante blend que passa 16 meses em carvalho francês; também degustei o Eral Bravo Malbec, muito frutado e equilibrado deixando um gostinho de quero mais. Espero que Matias consiga fechar uma nova parceria para que em breve possamos encontrar os excelentes vinhos da Eral Bravo aqui no Brasil.

Confira todas as fotos no meu Flickr: Expovinis 2008

  • http://vinho-frances-sao-paulo.com.br Cave Jado

    A cave Jado estará na Expovinis… até lá

  • http://www.qvinho.com.br Jackson

    Olá Cyrille, obrigado pelo seu recadinho subliminar. Mas, sinceramente, não entendi a sua colocação. Você achou que a minha cobertura da Expovinis não abordou o suficiente sobre o “velho mundo” ou é o conteúdo do blog que falta navegar mais adentro dos vinhos do velho mundo?

  • Cyrille

    Muito bem, muito bom ! Mas ainda falta navegar mais adentro os vinhos do Velho Mundo (quase sem menções de sua parte), um vasto e desafiador universo de sabores e cultura, de muito mais sutilezas e, conseqüentemente, maiores deleites….

  • Esequiel Paulo

    gostaria de receber informação sobre feiras e eventos em geral relacionado ao vinho, para o ano de 2009

    atenciosamente

    Esequiel

  • claudia araujo

    gostaria de receber informação sobre feiras e eventos em geral relacionado ao vinho.

    atenciosamente

    claudia araujo

  • Anne Margareth

    visitei o estande da bodega argentina Chaves Oliveira Wine Group (na EXPOVINIS) e degustei os vinhos Chaves Oliveira Reserva Cabernet Sauvignon e Chaves Oliveira Reserva Gold Malbec.Fiquei surpresa pois naquele estande degustei vinhos Maravilhosos. Sou publicitária e enófila os vinhos desta empresa (vinhos El Corazón, a Linha Chaves Oliveira, Los Arcoz e Comendador de Viluco sem falar no ABIES espanhol) apresentam rótulos muito bem elaborados e chamativos. No que se refere aos vinhos posso citar o Chaves Oliveira Reserva Malbec, teor de alcool de 13,9%, rolha de boa qualidade. Apresenta uma coloracao vermelho -rosada intensa, sem
    evolucao aparente. No nariz, notas de condimentos, apimentado, ameixas
    no alcool, mentolado, o que proporciona bastante frescor, o que me agrada bastante. Muito boa complexidade.Na boca, o ataque e intenso, apresenta uma
    acidez refrescante, desenvolvimento estruturado, taninos maduros. Deve apresenta uma grande capacidade de guarda. E depois da Palestra oferecida pela Chaves Oliveira com seu parceiro na enologia o Dr. Giuliano Elias Pereira (parece ter doutorado e PhD em enologia na Universidade de Bordeaux) fiquei ainda mais curiosa a desvendar esse fant´´stico mundo dos vinhos. Só posso dizer que recomendo essa surpresa…

  • André

    Tava razoavelmente organizado, com exceção do credenciamento. Fiz minha inscrição pela internet com uma antecedência de um mês (tudo para agilizar as coisas) e adivinha se o meu nome constava no sistema? Não. Lá vamos então preencher o convite pegar nova fila etc …. Minha pergunta é: pra que serve o cadastro antecipado pela internet? Se é para perder tempo preenchendo convite é melhor não disponibilizar o cadastro pela internet! Eu não fui o único, vi bastante gente que também tinha feito o pré-cadastro reclamando da mesma coisa. Se alguém da organização ler esse comentário, por favor tomem as precauções para que não ocorra nas próximas feiras.

  • Robertinho

    Muito Bacana!! Bebida boa não faltou e aquele estand da Menendez tava show. Só pelos charutos já me valeu a pena, como gosto de CACHAÇA então…. tudo de bom!

  • karla

    Fui quarta-feira na Expovinis e gostei muito.
    O trânsito para chegar lá é que não ajuda… em compensação todo aquele espaço do Transamérica Expo Center colaborou muito na visitação e circulação na feira. Pra mim valeu a pena já que conheci uma porção de vinhos novos.

  • Jairo Mattos

    Parece que a feira estava realmente muito boa. Não sou um entendido em vinhos, mas gosto de beber meus tintos pelo menos 3 vezes na semana. Coincidentemente quanto estive alguns meses atrás em Buenos Aires bebi esse Malbec da Eral Bravo que você comentou e gostei muito! Vamos aguardar… quem sabe encontramos aqui em mais lojas e restaurantes.