Receita: Spaghetti alle Vongole

Quando falamos de vinho surge sempre uma pergunta crucial. Qual prato acompanha este vinho? Na realidade a pergunta está trocada, uma vez que é o vinho que acompanha a comida. Pelo menos deveria ser assim. Hoje em dia, muita gente tem esquecido de comer e beber por prazer. Freqüentemente o vinho assume o papel principal e, cultuado e endeusado, não permite qualquer “acompanhamento” mais trivial. Algumas pessoas pensam que as grandes harmonizações são inacessíveis, feitas por grandes chefs de cozinha e, necessariamente, acompanhadas por vinhos caríssimos dos mais nobres vinhedos europeus. Esse pensamento está enraizado na mentalidade colonial do brasileiro, acostumado a pensar que prazeres dessa natureza são muito caros, reservados apenas às classes abastadas.

Para provar que nem tudo que é bom custa caro, proponho o clássico Spaghetti alle Vongole. Esse saboroso prato harmoniza perfeitamente com vinho branco; desde que, seja seco, de boa acidez e passe bem longe da madeira. Escolhi esse prato porque os ingredientes são baratos, além de ter uma execução fácil. O Spaghetti alle Vongole é um prato muito popular em todo litoral italiano, um campeão absoluto nas trattorie de Veneza e Napoli. Os vongole – no italiano, plural de vongola (conhecido no Brasil como berbigão ou amêijoa) – são moluscos bivalves que vivem enterrados na areia. Alimentam-se de plânctons filtrando a água do mar, assim como as ostras e mexilhões. Existem muitos tipos de vongole, na Itália os mais apreciados são os Vongole Veraci (tapes decussatus), mais graúdos, macios e adocicados que todos os outros. Aqui no Brasil, encontramos facilmente em toda costa os anomalocardia brasiliana, que são muito parecidos com os tapes decussatus, porém menores e ligeiramente mais rijos. Berbigões são muito nutritivos e possuem pouca gordura, além de serem ricos em Ômega 3 e minerais como zinco, ferro e magnésio.

Spaghetti alle Vongole - Espaguete com vongole, berbigão ou amêijoas

A minha receita é bem simples, idêntica a que comi pela primeira vez em uma trattoria em Veneza, numa travessa ao final da Riva degli Schiavoni.

Receita e ingredientes para Spaguetti alle Vongole (4 pessoas):

  • 1 Kg de Vongole (berbigões ou amêijoas) frescos e nas conchas;
  • 500g de espaguete de grão duro;
  • 1 copo de vinho branco seco;
  • 10 colheres de sopa de azeite de oliva;
  • 1 dente de alho;
  • Pimenta vermelha a gosto (dedo-de-moça em conserva é o ideal);
  • Salsinha a gosto.

Os vongole podem ser obtidos em mercados de peixe, ou coletados em praias de areia fina, já que são fáceis de achar em maré baixa. Lave as conchas e deixe repousando por 6 horas em uma mistura de água e sal (30g de sal grosso para 1 litro de água). Esse processo é fundamental para que o molusco “se limpe”, expulsando a areia para fora das conchas. Depois lave as conchas em água corrente, pegue um punhado delas e, com as mãos fechadas, esfregue uma contra as outras. Isso removerá a sujeira grossa, mesmo assim, talvez seja necessário usar uma escova para deixá-las bem limpas. Depois da limpeza, coloque a pasta para cozinhar (al dente). Agora doure o azeite, o alho picado (sem o miolo) e a pimenta numa panela e, uma vez que o alho comece a ganhar cor, adicione o copo de vinho. Cozinhe o vinho por 1 minuto e despeje os vongole na panela, de uma mexida, tampe e aguarde de 3 a 4 minutos. Esse tempo é suficiente para as conchas abrirem, o que indica que o molho já está pronto. Desligue o fogo, prove e verifique se é necessário adicionar sal (geralmente não precisa). Descarte as conchas fechadas e despeje o espaguete na panela com vongole. Misture tudo e sirva numa travessa com salsinha finamente picada por cima.

Vinho recomendado: um branco com boa acidez e frescor, como o português Afrós Loureiro.

Esse prato fica ótimo na companhia de um branco, e nem precisa ser caro, como o excelente Afrós Loureiro 2006. Português da região do Vinho Verde, este agradável e fresco branco proporcionou uma harmonia perfeita com o prato. Feito da interessante casta Loureiro na sub-região do Lima, é um branco leve e refrescante, graças a acidez viva e a sua paleta aromática levemente cítrica. O frescor do vinho combina maravilhosamente bem com o sabor do mar, presente no Spaghetti alle Vongole. O resultado não poderia ser melhor, puro deleite para os sentidos!

  • http://www.adegatiosam.com.br Luciene Carneiro

    Harmonizei este excelente prato preparado pela Chef Nalva Oliveira da Taverna Paradiso na Praia do Forte BA, com o Afros Loureiro safra 2009, importado pela Adega Tio Sam nossa! Ficou maravilhoso!

    Abs

    Luciene Carneiro

  • carlos moretti

    Delicia

  • Priscilla

    Já tive a oportunidade de apreciar o prato junto a meu noivo,mãe e sogra,em uma bela noite em um restaurante em frente a praia,foi ótimo e o prato estava simplesmente saboroso.Pena que vendo sua sugestão nós só erramos a escolha do vinho.

  • Rosa Maria

    Obrigada pela publicação desta receita, acabei de fazê-la e também saboreá-la. realmente é muito simples de preparar e de sabor ímpar. Utilizei vinho verde portugês, Calamares, muito bom!

  • Pingback: Receita: Arroz negro com camarão e tilápia

  • ronaldo ferretti

    Moro em Cabo Frio RJ em e ontem em Búzios na praia de Manguinhos encontrei vôngoles fresquinhos.
    su neto de italianos e é a raça que sabe fazer um bom spaghetti al vongole.

    Delícia pura e faço com azeite extra-virgem oh ???????

    • Maria José

      VOCÊ PASSA BEM, HEIN ? SABE O QUE É BOM DEMAIS E MUITA GENTE IMPORTANTE NEM SABE O QUE É VONGOLE, ADOREI.

  • Pingback: Receita: Lasanha à Bolonhesa

  • Pingback: Eu, Eu Mesma e Tine » Blog Archive » Os Irmãos Brustolin

  • Pingback: Afrós Escolha 2006 - Quinta do Casal do Paço » at QVinho - Vinhos e Gastronomia

  • Vicente

    Realmente um ótimo prato. Tive a oportunidade de prová-lo em Como, em um pequeno restaurante que – pecado! – não consigo recordar o nome. Era nas imediações da Banca Intesa, porém.

    Em Veneza, recomendo a Taverna San Trovaso como um local de boa comida e preço justo. Fica perto da ponte da Accademia e oferece um cardápio variado.

  • Rodrigo

    Boas receitas sempre são bem vindas. Parabéns pela iniciativa.

  • Pingback: Descobrindo o Vinho Verde » at QVinho - Vinhos e Gastronomia

  • http://www.qvinho.com.br Jomar

    Luciana,

    Os vinhos chilenos de Sauvignon Blanc são adequados, procure escolher aqueles que não são maturados em carvalho. Outra opção são os argentinos da uva Torrontés, frutados e com boa acidez, além de serem baratos. Os vinhos da linha Etchart Privado são agradáveis e tem uma acidez razoável:

    http://www.qvinho.com.br/vinhos-argentinos/etchart-privado-torrontes-chardonnay-2006/

    Eu prefiro ficar com os brancos, ma se fosse harmonizar com tintos, escolheria um de boa acidez, pouco tânico e não maturado em carvalho. Um Barbera D’Asti seria adequado, ou um Dolcetto D’Alba, mas um Beaujolais Villages poderia acompanhar muito bem.

  • Luciana

    Falando em harmonizações, vou servir em um almoço de domingo, algumas quiches de queijos, lorraine, saladas, frios e pães.
    Gostaria de saber que vinhos posso servir com estes pratos, sei que Sauvignon Blanc chileno combina, mas gostaria de servir alguns tintos CUSTO/BENEFÍCIO.
    Quais vcs sugerem?

    Grata

  • Denise

    Receitas!!! Que ótima novidade. Parabéns Qvinho, aprovamos a idéia.

  • Helton

    Tá todo mundo falando do prato, que parece ótimo, mas vale a pena comentar sobre o vinho.No meu ponto de vista esse branco é espetacular! A idéia de incluir pratos no blog é muito boa. Valeu pessoal.

  • Eloise

    Eu já tive oportunidade de provar esse prato e mesmo não sendo uma amante nata de moluscos posso dizer que essa é uma receita muito saborosa. Parabéns pela iniciativa de incluir receitas no blog. Nós, leitores, ficamos no aguardo de novidades gastronômicas. A foto ficou lindíssima!!!

  • Ines

    A foto deu água na boca…Esse prato deve ser uma delícia…

  • http://www.qvinho.com.br Jackson

    Sem dúvida um prato delicioso, pedida obrigatória numa visita a Veneza. A dica para quem não quer pagar preços exorbitantes, nesse prato ou em outros, é sair do entorno de São Marcos. Procure as trattorias frequentadas pelos moradores que geralmente ficam em vielas com pouco movimento em bairros como Canareggio e Arsenalle. Nem de longe lembra o agito de Rialto e São Marcos.

    Quanto ao vinho Afrós ainda não existe importadora representando no Brasil. As garrafas que degustamos foram gentilmente cedidas pelo produtor Vasco Croft durante o evento de promoção dos Vinhos Verdes realizado em São Paulo. Acredito que em breve esses rótulos poderão ser comprados pelos consumidores brasileiros. Vamos aguardar!