Paris Hilton: a embaixadora da marca Rich Prosecco

Paris Hilton em anúncio para Rich Prosecco

Não é de hoje que celebridades são utilizadas para promover marcas. A fórmula que a meu ver já dá sinais de desgaste, ainda é, na visão de muitos empresários e marketeiros, o caminho mais rápido e fácil para projetar e construir uma marca. Talvez o garoto-propaganda mais bem sucedido da história seja Michael Jordan. Que menino dos anos 90 não gostaria de ter um Nike “Air Jordan”? Eu, por exemplo, sonhava com um desses. Pois é, primeiro promoveu uma marca, depois se transfigurou na própria; Michael Jordan conseguiu quase que sozinho transformar um modesto fabricante de tênis de Portland, numa marca de US$ 12 bilhões. Qual o segredo? Aqui, o casamento perfeito entre a celebridade e a imagem da marca anunciada. Isso faz muito sentido, já que o milagre “Air Jordan” não se repetiu quando Michael tentou promover as baterias recarregáveis Rayovac. Ou ainda, quando seu colega, o grandalhão Charles Barkley estrelou nos comerciais de uns minúsculos carros da Hyunday; o maior mico de vendas da história da montadora!

Paris Hilton bebendo Rich ProseccoMas, voltando a patricinha e socialite Paris Hilton, os alemães da Rich Prosecco parecem ter alcançado seu intento, pelo menos até agora. Como embaixadora da marca (ou quiçá como sócia), Paris está presente nos principais eventos e festas promovidas pela empresa. A imagem da socialite ligada ao glamour, as festas, e aos escândalos tem auxiliado a posicionar essa bebida, lançada em 2006, no universo fashion e jovem das festas e baladas. A Rich já vendeu mais de 10 milhões de latas e está presente em 27 países, com planos de atingir a Índia, o Oriente Médio e o Japão (para América Latina ainda não existem planos). A sacada dos idealizadores da Rich foi lançar um espumante Prosecco em belas latinhas douradas de alumínio (200ml) por apenas 2 euros. É tudo muito prático, desde fazer coquetéis até consumir em festas, nem é preciso taças. Como Paris demonstrou, basta um canudinho, é muito mais chique. Quanto ao produto em si, os executivos da Rich afirmam que o vinho é obtido a partir uvas da província de Treviso, no Veneto, dentro os mais altos padrões de qualidade na produção de borbulhantes. Bom, não sei se é verdade já que não provei o produto, porém alguns fatos são um pouco estranhos. A empresa tem sede na região da Baviera, na Alemanha e, provavelmente, terceiriza a produção com algum megavinicultor do Veneto, até aí tudo bem. Entretanto, para campanha de divulgação do produto em dezembro de 2007, assinada pela Rich Water Foundation, o mote escolhido foi o aquecimento global. Isso mesmo, Paris Hilton completamente nua, em tons dourados (como a latinha da Rich), fotografada num cenário desértico. Segundo eles a idéia é chamar a atenção das pessoas para a problemática do aquecimento global e para falta de água potável em países da África. Além de divulgar por tabela o ambicioso projeto da Fundação para transportar icebergs até a África para suprir a carência de água limpa.

Paris Hilton colhendo uvas para Rich ProseccoOra, para mim o pretexto bobo de serviço de utilidade púbica é só mais uma artimanha desses espertalhões alemães para expor mais a marca e vender muito Rich Prosecco. Para falar a verdade esse tipo de estratégia me lembra a Benetton: chamar a atenção das pessoas com imagens chocantes e tragédias dos mais diversos gêneros. Ou seja, no fundo exploram as desgraças em proveito próprio. Isso não é consciência social ou serviço de utilidade pública. É oportunismo barato. Que fique claro, não tenho nada contra as fotos ou o acabamento visual dessa campanha da Rich, até porque Paris fica linda em qualquer foto, porém o cunho social neste caso, é over. Que a Angelina Jolie faça campanha social para as crianças africanas eu até entendo, agora a Paris Hilton? Admitamos, contudo, que suas aparições em festas bebendo a goles fartos Rich Prosecco ou ainda representando o papel de camponesa colhendo uvas (um encanto!) são muito mais coerentes com sua imagem de marca.

  • Ariella

    Gostei do Texto.

    Bem coerente…. discordo um pouco, não se trata de oportunismo, mas de sacada.

    hahahahah falei como publicitária.

    :)

  • julio cesar

    Aparecer é com a Paris Hilton. Ainda mais se for na coluna de fofocas e escândalos. Mas será que o contrato dela tá bem amarradinho? Já imaginou ela bebendo e posando nos estados unidos com uma garrafa de Dom Perignon? Hahahaha

  • http://blog.manalais.com.br Jemon

    Paris Hilton é um verdadeiro exemplo de branding. Tem muita marca por aí, que deveria aprender com ela.