Pernod Ricard aumenta portfólio com a compra da Absolut Vodka

A Pernod Ricard, multinacional francesa, adquiriu essa semana 100% da Vin & Spirits (V&S), detentora da vodka Absolut. O valor do negócio atingiu $ 8.9 bilhões e deve catapultar a Pernod para a posição de N.2 no mundo no segmento de bebidas destiladas e vinhos, atrás apenas da britânica Diageo. A Absolut é a marca de vodka N.2 em volume de vendas e N.1 na categoria de preços premium, com aproximadamente 11 milhões de caixas (de 9 litros) vendidas em 2007. A Absolut passa a integrar o portfólio de marcas da Pernod como: Chivas, Ballantine´s, Jameson, Martell, Malibu, Havana Club, Mumm, Perrier- Jöuet, Jacob´s Creek e Montana.

Mais do que a qualidade intrínseca do produto (que nem é tudo isso) a Absolut inovou na publicidade. Suas campanhas, reconhecidas em todo o mundo, foram trabalhadas e posicionadas de uma forma brilhante pela agência TBWA. Além de inúmeras ações de marketing e projetos culturais como Absolut Warhol, Absolut Fashion, Absolut Metropolis, Absolut Tracks, Absolut Brasil etc. A fabricação da vodka, segundo a Pernod, continuará na Suécia. Só espero que as campanhas mantenham esse posicionamento forte que, em grande parte, é o responsável pelo sucesso da marca.

Anúncio Vodka Absolut

  • Jose Lopes

    Pernod Ricard,realmente esta no top mundial das bebidas,mas aqui no Brasil,deixa muito a desejar.Esta deixando os seus produtos nas mãos de poucos,ou seja exatamente os distribuidores e atacadistas,que somente compram produtos que os seus clientes pedem ,porque a gama de seus vendedores e tudo meia-boca,só vende o que eu disse acima,são
    capazes de trabalhar um Frangelico,Jameson ja lançado por diversas vezes,mesmo a sua vodka orllof mesmo seus whiskeys de primeira linha,bem como as suas linhas frentes,pois os proprios vendedores da firma bem como os seus gerentes quando se ve apertado para cobrir cotas,eles abre as pernas para atochar os seus clientes e fazendo negocios com pouca lucratividade para firma o que é somente bom para a equipe de vendas da Pernod e o cliente que comprou com preços altamente satisfatorios e prazos ainda melhores do que outros clientes tambem de excelente porte de mercado,e assim esquecem daqueles produtos ded renome e matam os mesmos aquim no Brasil.Não vou esticar mais isto seria bom conversar pessoalmente e a Diageo tambem não fica atrás,ainda mais agora fechamento de ano o pau quebra
    e os clientes atacado edistribuidores lavam a cara é pouco profissionalismo que existem nestas firmas,Pergunta o Presidente destas firmas a respeito disto eles não sabem eles querem e ver valores fisicos e desconhecem que ferro esta entrando e as marcas caindo.

  • Helcio Gatti

    O melhor para nós consumidores é que ainda existe marcas de qualidade muito superior em vodka como é o caso da Stolichnaya vodka russa e com excelente preço no segmento premium.

  • Aroldo

    A Vodka Ablsolut com certeza continuará sendo a mesma, pois se a Pernod Ricard tivesse denegrido grandes marcas como Chivas, Ballantine´s e Wyborowa (como exemplo internacional) e Vodka Orloff (hoje 5X destilada), Passport e Almadén como exemplos nacionais, não seria a top dentre as Empresas de destilados e vinhos atuantes no mundo .

  • http://www.manalais.com.br/blog Jemon Brustolin

    A concentração de marcas na mão de poucos grupos é ruim para os consumidores e para as pequenas marcas que encontram cada dia mais dificuldade para sobreviver. Como editor de um blog sobre marketing e estratégia, postei um artigo alertando sobre a questão da ditadura das grandes marcas. Quem quiser conferir e só acessar o http://www.manalais.com.br/blog/

  • http://www.qvinho.com.br Jomar

    A Vodka Absolut nunca foi grande coisa. Um produto mediano amparado por uma excelente estratégia de marketing.

  • maria alice

    O mais triste é que a qualidade também pode cair. Não sei se vai acontecer com a Absolut, mas a história já mostrou alguns casos de produtos que decairam muito depois de mega aquisições. Preços mais altos, por tabela investem mais em marketing e a qualidade acaba ficando em segundo plano.

  • http://www.qvinho.com.br Jackson

    É verdade Rodrigo, a as fusões e aquisições na maioria das vezes abalam seriamente os pilares da livre concorrência. A concentração de poder na mão de poucos grupos internacionais estimula a formação de cartéis em detrimento dos consumidores.

    Infelizmente as atuais agências reguladoras não estão preparadas para defender os interesses dos consumidores. Ou alguém acha que temos uma verdadeira concorrência no setor aéreo, telefônia, combustíveis ou energia elétrica?

  • Rodrigo Carvalho

    Quem perde com isso é o consumidor. Cada vez mais o mercado de bebidas está concentrado.
    Hoje, duas empresas, Diageo e Pernod dominam o mercado de bebidas destiladas.
    Repito, quem perde é o consumidor