Catena Zapata

A bodega Catena Zapata quase dispensa apresentações, já comentamos sobre ela quando provamos o Angélica Zapata, um vinho muito “popular” entre os brasileiros. Além desse rótulo, outros da série D.V. Catena e Álamos também já passaram pelo QVinho, mesmo assim preciso revelar aos leitores que estamos em falta, afinal ainda não apresentamos os vinhos da serie Catena Alta e Catena Zapata, os melhores caldos desse produtor. Estivemos na Catena no dia 19 de novembro de 2009, porém não conseguimos efetuar uma visita completa, graças ao atraso na entrega do nosso carro – obrigado Hertz! Com isso ficamos limitados a uma curta degustação, senão chegaríamos atrasados na próxima visita, mesmo assim pudemos bater um papo com Jorge Crotta – responsável pelo mercado brasileiro –  e provar alguns vinhos.

Bodega Catena Zapata

Bodega Catena Zapata

A Catena Zapata é bem antiga, porém só ganhou fama pelas mãos de Nicolás, responsável pela modernização e por muitos avanços em toda a indústria vitivinícola argentina. Nicolás trouxe para seu país algumas ideias novas que viu durante sua permanência nos Estados Unidos, onde pode acompanhar de perto o boom dos vinhos californianos e repensar o modelo de negócios da bodega de sua família.
Atualmente a Catena Zapata é amplamente reconhecida como uma das mais importantes da Argentina, graças a qualidade dos vinhos e ao excelente trabalho de marketing desenvolvido ao longo dos anos. Justiça seja feita, Nicolás e sua equipe não brincam em serviço, fazem vinhos de grande apelo comercial, como as linhas Alamos, Catena, D.V. Catena e Angélica Zapata, porém também fazem preciosidades que agradam até mesmo a críticos exigentes. As linhas Catena Alta e Catena Zapata impressionam, mostram qualidade consistente safra após safra e sempre estão entre os melhores da América do Sul.

Tradicionalmente, assim como muitos produtores argentinos, a Catena faz vinhos a partir da mistura de uvas de diferentes vinhedos. Misturar uvas de vinhedos com característica distintas é uma técnica eficaz para a elaboração de vinhos finos, mesmo assim a tendência dos ditos “grand cru” – vinhos de vinhedo único ou single vineyard – também aparece na Catena Zapata. Existe muita controvérsia nesse conceito de vinhedo único, uma proposta baseada nas dádivas de um terroir superior, nem sempre disponível (e distinguível). Parece que a Catena seguiu os passos do sucesso da pequena Achaval Ferrer, especialista em explorar as particularidades dos melhores vinhedos de Mendoza. Os rótulos Catena Zapata Adrianna Vineyard e Catena Zapata Nicasia Vineyard são as armas da Catena para mostrar ao mundo as sutilezas da Malbec em diferentes localidades, além de complementarem o portfólio de vinhos top da Catena. Lamentavelmente não foi possível prová-los.

Catena Chardonnay 2008 – R$52

A Catena Zapata é especialista em Chardonnay, poucos produtores argentinos dedicaram tamanho empenho para fazer um bom vinho com essa variedade. O Catena Chardonnay é um campeão no quesito relação qualidade/preço, desafiando vinhos mais caros.  Bom aroma, frutas tropicais aparecem com intensidade, além de notas de carvalho tostado e um ligeiro toque mineral. Corpo médio, equilibrado e com certo frescor. Fermentado em barricas de carvalho francês (35% novas) e maturado com as borras por 9 meses.

Catena Alta Chardonnay 2007 – R$97

Sem dúvida o melhor Chardonnay da Argentina — e talvez o melhor da América do Sul — uma referência em qualidade. Poucos brancos possuem a classe que o Catena Alta Chardonnay costuma ter e, comparando com outros vinhos de mesmo nível, podemos considerar que não custa os olhos da cara.  Ao nariz revela um ótimo aroma, complexo e sutil; pêssegos amarelos maduros, flores e notas deliciosas de carvalho tostado aparecem em primeiro plano. Ótimo na boca, harmonioso e surpreendentemente fresco, graças a ótima acidez e a mineralidade que aparece no palato. Final longo e agradável. Feito exclusivamente com uvas do vinhedo de Adrianna, distrito de Tupungato, uma região mais fria e muito propícia para a Chardonnay. Um vinho 100%  fermentado em barricas de carvalho francês (50% novas) e maturado com as borras por 12 meses.

Catena Malbec 2007 – R$53

Esse Malbec é um dos mais confiáveis e acessíveis da Catena, o estilo é bem internacional, evidentemente focado na fruta fácil e no carvalho, porém sempre bem feito.  Aroma intenso de frutas negras bem maduras, toques florais e de chocolate complementam a paleta. Corpo médio, equilibrado e com taninos de bom nível. Produzido a partir de uma mistura de uvas dos vinhedos de Angélica, La Pirámide, Altamira e Adrianna. Passou 12 meses em barricas de carvalho, sendo 70% francês (20% novo) e 30% em carvalho americano novo.

Catena Alta Malbec 2006 – R$135

O Catena Alta Malbec já é um clássico, poucos produtores fazem um Malbec com esse estilo nessa faixa de preço. Bem diferente dos rótulos Catena, D.V. Catena e Angélica Zapata; nesse vinho a exuberância fácil da Malbec sai de cena para dar lugar a uma complexidade mais desafiadora.  Nariz muito agradável, revela frutas vermelhas maduras, nuances florais, toques minerais e de carvalho tostado. Ótimo na boca, com taninos finos e acidez marcante. Longo e delicioso. Feito com uma mistura de uvas de parcelas selecionadas dos vinhedos de Angélica, La Pirámide, Altamira e Adrianna. Descansou por 18 meses em barricas de carvalho francês (70% novo).

Importação: Mistral

Visitas:

A Catena Zapata fica em Agrelo, Luján de Cuyo, na Calle Cobos. Para chegar lá é fácil, veja o nosso mapa:

Localização da Catena Zapata

* * *

Este post faz parte da série On the Road 2009. Clique aqui |+| para ler mais artigos sobre o Chile e a Argentina. Clique aqui |+| para ler sobre outras viagens dos editores.

  • Mario da Cunha

    Gostaria de saber onde comprar o Catena Zapata em Buenos Aires. Alguma loja.

    grato

    Mario da Cunha

  • Eleonora Diniz

    Provei o Saint Felicien Malbec 2008 na Argentina, mas onde encontro em SP? Alguma importadora pra indicar?

  • http://www.bistroisadoraduncan.com.br Edmilson

    Caro Jomar,
    Parabens pela materia ,tenho um bistrô em florianopolis, trabalho com varios rotulos da vinicula Catena ,
    estamos indo a Buenos Aires , consigo bons preços em qualquer emporio , e qual a quantidade posso trazer, obrigado

  • http://fazebool Fátima

    Jomar,

    Boa matéria. Parbéns.Procuro conhecer um pouco de vinho e concordo com você.Tenho um restaurante e um pequeno empório onde possuo os vinhos da Catena. Estou ainda engatinhando.

  • Leonardo

    Caro Jomar;
    Parabéns pela matéria, excelente! Sou muito fiel aos vinhos Catena, me surpreendeu sua avaliação do Chardonnay, na verdade nunca degustei, será minha próxima missão!
    Lamentavelmente o atraso não permitiu vocês explorarem na íntegra este ícone da viticultura argentina!
    Complementando o comentário do Samir também tomei o Saint Felicien, rótulo muito popular na Argentina. Me parece que este rótulo só é vendido no mercado interno, uma pena!
    Abraço, Leonardo

  • http://www.flickr.com/photos/jccouto JC Couto

    Parabéns pela excelente matéria !!! Realmente, a bodega Catena Zapata é um paraíso para os enófilos e visita obrigatória a quem vai para Mendoza.

  • http://www.vinicileni.it Lorenzo Pansani

    Ciao!!!

    sono completamente daccordo, catena alta malbec e chardonnay sono fra i prodotti di maggior livello prezzo qualità degustati in Argentina.

    Complimenti per il vostro ottimo lavoro.

  • samir jorge abdul hak

    gostaria de saber porque um dos melhores vinhos da Catena Zapata, chamado SAN FELICIEN, não consta de nenhuma loja do Brasil. Nem mesmo a Q Vinho faz qualquer observação a respeito.

    • http://www.qvinho.com.br Jomar

      Você tem razão Samir, o Saint Felicien costuma ser muito bom, mas infelizmente destina-se apenas ao mercado argentino.

      • Marcelo

        Sorte dos que moramos na fronteira. De Uruguaiana (Brasil) a Paso de los libres (Argentina) é só cruzar uma ponte, e lá compramos esses vinhos todos – inclusive o Saint Felicien – e em pesos.