WofA2010: Bodega Del Fin Del Mundo

Primeiro empreendimento inaugurado em Neuquén, em 1999, a Bodega Del Fin del Mundo surpreende com seus números grandiosos. São 950 ha de vinhedos próprios localizados em San Patricio del Chañar, cerca de 220 tanques de aço inox, 104 cubas de concreto e 2.500 barricas de carvalho francês e americano; totalizando uma produção de 9 milhões de litros. Em 2003, um anos após a primeira colheita, o ambicioso projeto encabeçado pelo empresário Julio Viola começou a ganhar forma com a construção da primeira etapa da vinícola. Desde então, a Bodega Del fin Del Mundo obteve inúmeros reconhecimentos em função da qualidade de seus rótulos e colocou os vinhos da Patagônia no cenário internacional, exportando para mais de 30 países. Hoje, a vinícola trabalha com cerca de 10 linhas de rótulos que incluem os mais diversos varietais, com destaque para a Malbec, a Cabernet Sauvignon, a Pinot Noir e a Chardonnay. A linha de entrada – que chega ao mercado por menos de R$18 – recebe o nome de Ventus, seguido por outras linhas também acessíveis como os rótulos Postales, Postales Oak e Newen. Na segmentação premium a vinícola conta com os rótulos FIN que são single vineyards obtidos das melhores parcelas de Malbec e Pinot Noir, com uma produção limitada entre 9 e 10 mil garrafas; além do Special Blend, um corte de Malbec, Cabernet Sauvignon e Merlot.

Vale lembrar que os bons resultados dos últimos anos é fruto de um investimento na assessoria técnica do consultor Michel Rolland, numa parceria iniciada em 2004, e da equipe de profissionais lidera pelo enólogo Marcelo Miras. Marcelo não é um novato na Patagônia, na verdade ele chegou na região a convite de Raul de La Mota para trabalhar como enólogo na bodega Humberto Canale, onde permaneceu durante anos. Atualmente respondendo pela produção de uma vinícola com a envergadura da Bodega Del Fin Del Mundo, Miras tem uma visão muito objetiva e franca – o que logo me agradou – sem aquele discurso com frases decoradas ou politicamente corretas para agradar jornalistas. Quando questionado sobre a filosofia da bodega, Miras sem pestanejar responde: “Não fazemos vinhos para obter altas pontuações, mas sim vinhos que as pessoas possam comprar e gostem de beber”. Desde o uso de aduelas nos vinhos básicos até o tema sobre certificação de vinhos orgânicos, Marcelo demonstrou muita convicção em suas opiniões.

“Não acredito que seja necessário buscar uma certificação de vinho orgânico, o fato é que o clima da Patagônia favorece por natureza a produção de vinhos orgânicos, já que a incidência de pragas é mínima”, afirma Marcelo.

Porém, o mais interessante disso tudo é que até mesmo numa escala de produção imensa como a Bodega Del Fin del Mundo é possível encontrar vinhos bem feitos, e indiscutivelmente, com uma excelente relação qualidade/preço, como por exemplo, a linha Postales (que totaliza cerca de 2,5 milhões de garrafas) e Newen.

Postales Sauvignon Blanc – Semillón 2009 – R$20

Um vinho despretensioso, leve e fresco, para ser consumido jovem. O aroma não chega a ser dos mais intensos, mas agrada com suas notas florais e de frutas de polpa branca. Na boca tem uma presença razoável, que faz jus ao preço de um vinho branco na faixa dos R$20.

Postales Oak Malbec 2009

Logo ao primeiro contato o Postales Oak Malbec não nega o estilo de vinho moderno. Ainda jovem, esse Malbec apresentou uma bela cor violeta, muito densa; com um perfume intenso de frutas maduras como amoras, ameixas, cerejas confitadas, notas de baunilha e chocolate. Na boca é um vinho de certa estrutura, com taninos macios e doces; final de boa persistência e untuoso.

Newen Pinot Noir 2009 – R$40

Com uma passagem de 6 meses por barricas de carvalho francês e americano, o Newen Pinot Noir consegue entregar uma boa expressão de fruta. O aroma de intensidade média é gostoso, lembrando frutas vermelhas frescas mescladas com notas lácteas. Um vinho fácil de beber, com uma ótima acidez, o que deve facilitar bastante no casamento com a comida.

FIN Single Vineyard Pinot Noir 2007 – R$110

Confeccionado a partir de parcelas especiais de Pinot Noir, o FIN 2007 apresentou uma boa dose de complexidade, mas com um bouquet ainda marcado pelo 18 meses de carvalho, notas tostadas, seguido de frutas vermelhas maduras e um delicioso fundo mineral. Talvez precisasse de mais tempo na taça para expressar todo o seu potencial. Boa estrutura, garantida por taninos de qualidade e bem balanceado pela sua acidez.

Especial Blend 2006 – R$140

O Especial Blend é um delicioso corte de Malbec, Cabernet Sauvignon e Merlot, onde 100% do vinho estagia 15 meses em barricas de carvalho francês. No exame visual uma bela cor negra, denotando muita riqueza em matéria corante. Bouquet elegante, notas de frutas vermelhas aparecem bem mescladas com os aromas da madeira; um fundo de húmus e pedra molhada dão um toque a mais de complexidade. Na boca também mostrou potência e profundidade. Taninos doces de excelente qualidade, e um final longo e caloroso.

Importação: Mr. Man

Ruta Provincial N.8, Km9 – San Patricio del Chañar – Neuquén
Tel. (0299) 4855004
turismo@bdfm.com.ar
www.bodegadelfindelmundo.com

Para visualizar a localização exata consulte o mapa Bodegas Patagônia

* * *

Este post faz parte da série Wines of Argentina 2010 (WofA). Clique aqui |+| para ler mais. Para ler sobre outras viagens dos editores pela Argentina, clique aqui |+|.

  • Aristóteles

    Já provei diversos vinhos dessa bodega e nenhum me agradou. Estilo pesadão, com muito álcool e frutado demais. Depois, encontrei a explicação: assessoria de Michel Rolland, a praga dos vinhos!

    Lamentável.

  • http://www.qvinho.com.br Jackson

    Olá Elmo,

    Infelizmente não tenho essa informação, mas pelas conversas que tivemos imagino que se tratem de parcelas dentro desses vinhedos imensos que foram identificadas como superiores em qualidade.

    Abração

    • Marcelo Miras

      Hola Elmo – Jackson, la línea FIN “single vineyard” la hacemos con uvas de parcelas de 1,7 has para cada variedad de uva, Estas parcelas las hemos seleccionado estudiando el comportamiento viticola y enologico de las distintas parcelas para una misma variedad. un abrazo

  • ELMO

    Jackson, meu caro, esses “vineyards” da bodega, da linha FIN, são mais ou menos de que área, vcs obtiveram essa informação? Em outras palavras, são vinhedos imensos ou eles subdividem a área de plantio pra fazer diversos “single vineyard”da mesma uva?