O melhor do enoturismo no Brasil

Que tal fazer um passeio em meio a belas e bucólicas paisagens rurais? Bom, né? E, se esse passeio for marcado por deliciosos almoços e jantares, com direito a clássicos como a sopa de agnolini, tortei, galetinho, polenta na chapa e o típico churrasco no espeto? Ah, aí o negócio fica mais interessante. Mas, quando juntamos isso tudo com vinhos autênticos, que expressam a personalidade da região, o resultado é muito melhor! Assim é a Serra Gaúcha. Uma região encantadora, com um povo acolhedor que possui um potencial extraordinário para o enoturismo. Não dá para negar que várias associações, produtores e entidades vem realizando uma série de iniciativas para incrementar o turismo, principalmente aquele voltado para o vinho. Parece que aos poucos os brasileiros terão mais chances de conhecer as belezas naturais e os bons vinhos do nosso país.

Vinícola Salton no distrito de Tuiuty

Vinícola Salton no distrito de Tuiuty

Quando estive na vinícola na Dal Pizzol, coincidentemente, seus diretores estavam recebendo uma visita de consultoria do arquiteto espanhol Jesus Marino Pascual, famoso por suas obras arrojadas em vinícolas. O assunto era exatamente como a cultura do vinho é capaz de incrementar o turismo e a economia de toda uma região. Para exemplificar, citou o caso de Rioja, que durante os anos 90 recebia poucos turistas, mas com a criação do Museo Vivanco de la Cultura del Vino, em 2004, e de bodegas com projetos arquitetônicos espetaculares como a Ysios, Marqués de Riscal e Antion, passou a atrair milhares de turistas. Hoje, Rioja é uma espécie de Disneylândia do enoturismo. Segundo Jesus, as bodegas começaram a pensar mais nos visitantes, e por isso planejaram áreas dedicadas a eles, como hotéis, restaurantes, áreas de degustação e varejo. A própria arquitetura de vanguarda assinada por grandes nomes tem um papel primordial na atração de turistas. Se pensarmos que no Rio Grande do Sul cerca de 20 mil famílias vivem da uva, certamente todas a iniciativas que visem aumentar o enoturismo terão um papel importante para a economia da região. E nesse sentido, o que a Espanha realizou serve como um excelente modelo para o Brasil.

Peças do acervo histórico do Ecomuseu da Cultura do Vinho, na Dal Pizzol, no distrito de Faria Lemos

Peças do acervo histórico do Ecomuseu da Cultura do Vinho, na Dal Pizzol, no distrito de Faria Lemos

Hoje, o Vale dos Vinhedos, primeira Denominação de Origem (D.O.) do Brasil criada em 2012, é o destino mais organizado quando falamos de turismo do vinho. Vinícolas, hotéis, pousadas, restaurantes se esforçam para atrair cada dia mais turistas. Seguindo essa tendência, o Spa do Vinho acaba de lançar o primeiro condomínio vitivinícola do Brasil. Inspirado no que já é realizado em lugares como Mendoza e Napa Valley, agora os apaixonados pelo vinho poderão além de visitar a região, ter a oportunidade de cultivar e produzir seu próprio vinho.

Edredom sob os parreirais na Cristofoli, em Faria Lemos

Edredom sob os parreirais na Cristofoli, em Faria Lemos

E não são apenas os grandes grupos que estão focando mais no enoturismo. As pequenas propriedades familiares também visualizaram uma grande oportunidade no turismo como forma de diversificação. A Cristofoli, localizada na Rota das Cantinas Históricas, numa belíssima região do distrito de Faria Lemos, em Bento Gonçalves, está apostando no Dolce far Niente para atrair turistas. A vinícola integra o projeto Tour da Experiência, um programa que procura proporcionar um dia diferenciado para os visitantes. Seja no Spazio del Vino (porão da Cantina), ou num edredom em meio ao parreiral; familiares e amigos podem se reunir para um agradável almoço, lanche (spuntino) ou jantar, com direito a comidinhas caseiras e bons vinhos da região. Tudo muito autêntico e saboroso. A jovem enóloga Bruna Cristofoli está a frente da produção, e aos poucos a família está migrando da produção de vinhos de mesa a granel para os vinhos finos. No portfólio é possível provar bons vinhos varietais de Cabernet Sauvignon, Merlot, Moscato de Alexandria e até mesmo um Sangiovese.

Turistas podem participar da colheita de uvas de mesa no parreiral da Casa Valduga

Turistas podem participar da colheita de uvas de mesa no parreiral da Casa Valduga

Durante a vindima também é muito comum as vinícolas prepararem programações especiais que incluem colheita de uvas, almoços, jantares ou mesmo picnic em meio aos vinhedos. No roteiro do Caminhos de Pedra, a vinícola Lovara possui atividades como a Colheita ao Luar e os Pinics, e em outras épocas do ano, conta com workshops pasta e vino, fondue e jantares harmonizados (preços de R$30 a R$45 /pessoa). Sem esquecer da pioneira Casa Valduga, que em seu complexo de enoturismo (pousada, restaurantes, enoboutique) oferece uma série de atrações aos visitantes.

A pousada e o restaurante da Don Giovanni ocupam um charmoso casarão de 1930 que está situado no Distrito de Pinto Bandeira, Bento Gonçalves

A pousada e o restaurante da Don Giovanni ocupam um charmoso casarão de 1930 que está situado no Distrito de Pinto Bandeira, Bento Gonçalves

Apesar de bons passos terem sido dados por parte dos empresários do setor será preciso mais investimentos para que o enoturismo ganhe a dimensão merecida. Ainda faltam complexos que integrem vinícola, hotéis e restaurantes. E, onde se encontram as melhores estruturas, como no Spa do Vinho no Vale dos Vinhedos, não existe ciclovias ou mesmo acostamento para fazer uma caminhada ou um passeio de bike. O chato disso é que embora você esteja cercado de belíssimas paisagens, resta apenas recorrer a uma corrida na esteira olhando para as paredes. Sem falar que para conquistar aquele público mais exigente do enoturismo,- acostumado com roteiros clássicos na França, Itália e Espanha – também seria interessante contar com opções de alta gastronomia. Ou seja, com mais alternativas de lazer e gastronomia as chances do turista permanecer mais tempo na região seriam maiores. O fato é que essa região tem um imenso potencial para desenvolver o enoturismo, vamos torcer para que empresários, entidades e governantes mantenham esse assunto em pauta e continuem buscando melhorias.

Para saber mais sobre as principais regiões produtoras no Rio Grande do Sul leia meu post anterior.

Larentis - Vale dos Vinhedos

Larentis – Vale dos Vinhedos

Onde ficar:

Spa do Vinho Hotel & Condomínio Vitivinícola
Rod. RS 444, KM 21 • Vale dos Vinhedos • Bento Gonçalves • RS
Tel : +55 (54) 2102-7200
reservas@spadovinho.com.br

Don Giovanni
VRS – 805 – Linha Amadeu 28 – Km12
Tel (54) 3455-6294
pousada@dongiovanni.com.br
Diárias a partir de R$275

Como chegar: 45Km a partir de Caxias do Sul / 120km a partir de Porto Alegre

* Jackson Brustolin viajou para o Rio Grande do Sul a convite do Instituto Brasileiro do Vinho – IBRAVIN, para participar de um tour de promoção do vinho brasileiro “Projeto Imagem” durante os dias de 18 a 23 de fevereiro.