Caliterra Cenit

A Caliterra não é uma bodega estreante, na realidade foi fundada em 1996 a partir de uma joint-venture de dois pesos pesados do mundo do vinho, o chileno Eduardo Chadwick e o americano Robert Modavi. Essa parceira rendeu bons frutos, posicionou a Caliterra como um nome forte, reconhecido por fazerem bons vinhos a preços competitivos. Em 2004, Eduardo teve a oportunidade de comprar a parte de seu sócio, assumindo assim o controle da Caliterra e incorporando a bodega a Viña Errazuriz. Visitamos o quartel general da Errazuriz no Vale de Aconcagua durante o QVinho On the Road 2009 (leia o post completo), naquela ocasião provamos vários vinhos, porém a Caliterra havia ficado de fora.

Sergio Cuadra, enólogo da bodega Caliterra

Sergio Cuadra, enólogo da bodega Caliterra

Foi com grande satisfação que aceitamos o convite da importadora Decanter para o almoço de apresentação do rótulo Cenit, ocorrido em 14 de julho no restaurante Porcini. Sergio Cuadra, enólogo chefe da Caliterra, compareceu para explicar em detalhes a filosofia  da empresa e conduzir uma degustação vertical do Cenit. A Vinã Errazuriz mantém boa parte de seus vinhedos no Vale de Aconcágua, mas com a Caliterra é diferente, possuem 288 Ha de terra cultivada no Vale de Colchagua. Merlot, Carménère, Cabernet Sauvignon e Syrah são as principais variedades, pequenas parcelas de Malbec e Petit Verdot fecham a composição dos vinhedos. Sergio explicou em detalhes a preocupação da Caliterra com a sustentabilidade; adeptos de um conceito amigável com o meio ambiente, estão convertendo todos os vinhedos para o cultivo orgânico, além de inúmeras outras práticas para garantir o uso racional dos recursos naturais.

As ações que desenvolvemos de sustentabilidade vão muito além do que é exigido pela certificação de “vinho orgânico”, por isso firmamos uma parceria com a Universidade de Talca para, em conjunto, desenvolvermos um protocolo capaz de definir os processos de sustentabilidade que não são contemplados pelas atuais certificações, como por exemplo, tipos de garrafas, materiais empregados em etiquetas e embalagens etc, reforça Sergio.

Caliterra Cenit 2005

Caliterra Cenit 2005

O Cenit, vinho ícone da Caliterra, ainda é um projeto relativamente novo. A primeira safra foi engarrafada em 2005, porém já dá para perceber que o Cenit veio para se firmar entre os grandes do Chile, pelo menos na sua faixa de preço. Custa menos que outros tops chilenos (por volta de R$230), ficando em uma posição de vantagem frente a outros rótulos da própria Errazuriz, como o Don Maximiano, o Seña e o Viñedo Chadwick. E o melhor, não deve nada aos outros rótulos emblemáticos da Errazuriz. Provamos as safras 2005, 2006, 2007 e 2008. O Cenit 2005 (que não está mais a venda) é um corte de Cabernet Sauvignon (60%), Malbec (30%) e Petit Verdot (10%). O mais elegante da prova, exibindo um nariz com frutas negras maduras, marmelada e notas agradáveis de baunilha emprestadas da madeira; na boca revelou ótimos taninos, boa acidez, com um final prolongado e seco. Em 2006 o corte foi de Cabernet Sauvignon (53%), Malbec (27%) e Petit Verdot (20%). O Cenit 2006 mostrou-se mais vigoroso que o 2005. Nariz com maior presença de frutas negras supermaduras, notas minerais e de especiarias. Na boca surpreendeu com uma ótima acidez, necessária para dar frescor a esse vinho. O Cenit 2007 é marcado por uma diminuição da Cabernet Sauvignon (41%) e um ligeiro aumento de Malbec (39%), com um bom complemento da Petit Verdot (20%). O Cenit em roupagem mais leve e acessível, nariz muito intenso e ligeiramente mais doce. Macio e suculento, não nega a influência marcante da Malbec. Em 2008 o Cenit ganhou a inclusão da Carmenere (19%), com uma drástica redução de Cabernet Sauvignon (15%) e proporções idênticas de Malbec e Petit Verdot (33%). Ainda jovem e muito vigoroso, porém diferente do 2006. Com o passar dos minutos mostrou um bouquet muito perfumado e fresco, repleto de frutas, baunilha e notas florais. Ótima estrutura na boca, garantida por taninos firmes de excelente qualidade e acidez bem marcada. Certamente com o passar dos anos ganhará mais complexidade.

Sergio elaborando misturas da safra 2009

Sergio elaborando misturas da safra 2009

Por fim, o Sergio preparou uma surpresa aos participantes, trouxe amostras de barrica (em garrafinhas, obviamente) de Cabernet Sauvignon, Carménère, Malbec e Petit Verdot da safra 2009. Com estas amostras Sergio propos uma brincadeira, sugeriu que provássemos cada variedade e definíssemos uma mistura para o Cenit 2009 (que ainda não está pronto). Eu e o Jackson não tivemos dúvida, sugerimos um corte para ser apreciado de imediato, pegamos a maciez da Malbec (55%), aliada a solidez mineral da Petit Verdot (25%), com um tempero extra da Carménère (15%) e um toque selvagem da Cabernet (5%). Sergio preparou as misturas e depois serviu às cegas para que todos os participantes pudessem sentir as diferenças entre cada corte. O resultado da brincadeira foi ótimo, afinal todos perceberam como essas castas apresentam características diferentes, comprovando que produtores competentes podem extrair vinhos de grande personalidade de um terroir como o de Colchagua. Ponto para a Caliterra.

Os vinhos da Caliterra são importados pela Decanter

  • rodrigo d´Eça Neves

    Provei deste vinho.
    Encantou o equilíbrio em seu todo.
    Parabens pela vossa criação.
    saudações
    Rodrigo

  • Julio Antunes Pereira Filho

    Abri a cegas um Caliterra Tributo Cab. Sauvignon single Vineyard 2007, em uma mesa que só tinha vinhos super caros!! Foi o melhor vinho da noite e gastei apenas R$ 66,20!! Vinhaço!!!! A importadora DECANTER só tém vinhos excelentes.

    • Zanatta

      Realmente Sr. Julio..o Calietrra surpreende os amantes do baco..parabéns

  • kaiser soze

    Nunca poderiamos ter acesso a estas preciosas informações se não fosse a dedicação de vocês jovens eruditos..muito obrigado!