Casas Del Bosque Pinot Noir Vs. Finca Del Fin Del Mundo Pinot Noir

Você está no time daqueles que acreditam que extração máxima e intensidade na cor são caraterísticas fundamentais dos grandes vinhos? Talvez você não tenha sido apresentado à Pinot Noir. Não é difícil presenciar consumidores, geralmente acostumados com vinhos ditos “modernos”, assustados com a cor, ou melhor dizendo, com a falta dela nos vinhos a base de Pinot Noir. Alguns mais desavisados poderiam, erroneamente, supor que isso seria um indício de inferioridade. Mas esse tipo de preconceito parece já estar superado, já que renomados vinhos da Borgonha e até mesmo de Barolo e Barbaresco provaram que a ausência de cor não está relacionada a baixa qualidade, muito pelo contrário. Porém, encontrar bons vinhos de Pinot Noir, a preços mais convidativos, é sempre um desafio para os amantes dessa uva.

Vinho Chileno Casas Del Bosque Gran Reserva Pinot Noir 2006 Vs. Patagônia Bodega del Finca Del Fin Del Mundo Reserva Pinot Noir 2005

É num clima um pouco mais frio no Vale Casablanca, Chile, que a Viña Casas Del Bosque produz a Pinot Noir para esse vinho. O Gran Reserva Pinot Noir 2006 apresentou uma cor rubi bem transparente e um halo levemente violáceo. Aroma intenso com predominância de notas tostadas como caramelo e pão torrado, acompanhadas por uma frutuosidade de framboesa. Na boca estrutura mediana com taninos redondos e maduros. Final longo e delicado.

Muito Bom
Um vinho elegante com uma passagem bem trabalhada no carvalho.
Grad. Alcoólica: 14%
Preço: R$59
Importadora: Obra Prima

O Bodega del Fin del Mundo apresentou bela cor rubi transparente, com lágrimas abundantes e pouco persistentes. Ataque aromático delicado de frutas vermelhas, lembrando morangos e framboesas frescas, com discreta presença de couro e baunilha. Corpo médio com taninos finos e boa acidez, mostrando bom equlíbrio e harmonia.

Muito Bom
A Bodega del Fin del Mundo parece ter um ótimo terroir, revelador da frutuosidade típica da Pinot Noir, sem as arestas da acidez excessiva ou falta de corpo.
Grad. Alcoólica: 14%
Preço: R$47
Importadora: Reloco

Gostei de ambos, mas o Pinot da Finca del Fin del Mundo é mais autêntico, um belo vinho na sua faixa de preço, que seduz pelo equilíbrio e frescor. O Casas del Bosque apresenta um aroma mais marcado pela madeira, mesmo assim, sua textura é mais lisa e menos densa. Duas boas opções de Pinot Noir.

  • Pingback: QVinho faz aniversário de 1 ano

  • Pingback: Guloseima » Blog Archive » Fondue e vinho? Ainda dá tempo!

  • http://www.tormentas.com.br Marco Danielle

    Caros amigos,

    Sobre os comentários a respeito do preço dos meus vinhos, gostaria apenas de lembrar que trata-se de um dos únicos vinhos do mundo elaborados com grãos retirados manualmente dos cachos, um a um, com seleção visual. Isso seria impensável na Europa, e elevaria um vinho assim feito a preços estratosféricos. Sobre preço ser sinônimo de qualidade, é claro que não faz sentido, embora a percepção de qualidade seja altamente subjetiva, e fundamentalmente ligada à “biblioteca” de referências de cada degustador.

    Um grande abraço,

    Marco Danielle
    Vinhos dee Autor

  • Pingback: QVinho faz aniversário de 1 ano | QVinho - Blog de vinhos, gastronomia e espresso

  • Giovanna

    Impressionei-me com o Pinot Noir da Quinta da Neve, uma pequena vinícola de SC. É excelente. Li comentários que já foi considerado o melhor Pinot Noir já produzido no Brasil. Acreditei, pois o vinho é muito agradável. Vale a pena mesmo.

  • http://www.qvinho.com.br Jomar

    Rodrigues, os rótulos Tormentas e Minimus são “vinhos de garagem”, isto é, produtos de produção artesanal. Por isso o preço elevado, mas é bom lembrar que isso não quer dizer qualidade.

  • rodrigues

    Aposto muito nas “pinot” chilenos do vale de casablanca,proximo ao mar e frio!este exemplar argentino é bem interessante,uma região com futuro prs essa casta.Agora uma dúvida:Por que os vinhos nacionais do MARCO DANIELLE(TORMENTAS E MINIMUS ANIMA)SÃO TÃO EXCESSIVAMENTE CAROS,PROIBITIVOS??

  • http://www.qvinho.com.br Jomar

    É verdade Marcello, algumas uvas, principalmente a Pinot Noir e a Nebbiolo, não possuem grande quantidade de corante. Como resultado temos vinhos com pouca cor e transparência, mas isso não quer dizer com pouca extração. Uma excessão é o Marcus Gran Reserva Pinot Noir, bem mais escuro que a maioria.

  • Marcello

    Abri uma garrafa deste Bodega del Fin del Mundo e um colega estranhou a o rubi transparente. Expliquei que era a influência do Pinot Noir. Realmente é estranho pra quem costuma beber de outra uva…

  • Alexandre Loper

    Realmente vivemos um momento onde grande parte dos consumidores aprecia somente vinhos jovens, alcoólicos e com muita madeira. Acredito que degustar somente esse tipo de vinho significa tolher os prazeres do mundo do vinho. É por isso parabenizo o blog de vcs. Comentar sobre vinhos de todos os preços e todos os tipos é o grande diferencial do QVinho.

  • Nelson Freitas

    Adoro vinhos de Pinot Noir. Já li os comentários que vocês fizeram de outros vinhos dessa varietal e achei bem interessante. Sugiro que o blog inclua mais degustações de Pinot Noir, inclusive de outras regiões como USA e Nova Zelândia.