Cousiño Macul Don Luis Merlot 2006

Vinho tinto chileno Cousiño Macul Don Luis Merlot 2006Depois de provar nas últimas semanas alguns bons e acessíveis Carménères chilenos, resolvi escolher um rótulo de Merlot. Para dizer bem a verdade, fazia tempo que não bebia um Merlot chileno. Minhas últimas, mas principalmente boas lembranças, foram deixadas pelo confiável e irretocável, Marques de Casa Concha. Agora, para relembrar os tempos da invasão chilena nas gôndolas brasileiras, minha escolha recaiu sobre uma das mais tradicionais casas vinícolas chilenas. Fundada em 1856, a Cousiño Macul, ainda é controlada pela família que fundou a vinícola. Com vinhedos localizados no Vale del Maipo, a Viña Cousiño Macul produz vinhos desde as linhas de entrada varietais até as séries ultra premium. O Don Luis Merlot integra, junto com outros varietais, a linha de frente da casa. De cor vermelho-rubi bem transparente, nariz excessivamente vegetal, lembrando café verde. A frutuosidade ficou ofuscada pelo exagero da madeira. Na boca mostrou-se um tanto quanto desequilibrado, principalmente pela pouca estrutura para o teor de álcool. Final curto e levemente áspero. Muito embora seja um vinho jovem, não deverá evoluir bem, haja vista a ausência de corpo. Pois bem, para resumir, ao meu gosto esse Merlot não agradou! Já comentamos aqui no QVinho sobre essas técnicas ardilosas de maquiar os vinhos com serragem, lascas e tábuas de carvalho. Tenho a impressão que esse rótulo está nessa infeliz categoria. Mas, tentaremos outras linhas que façam valer a reputação da Cousiño Macul.

Fraco
Só recomendo para quem gosta muito de vinho mascarado pelo carvalho.
Grad. Alcoólica: 14%
Preço: R$26
Importadora: Prospera Trading

  • Zenilton Soares

    Boa noite, bem, eu gostaria de uma grande ajuda, infelizmente não sou tão entendedor sobre vinhos, mas gostaria de presentear um grande amigo com uma boa garrafa de vinho, se possível.

    Estarei viajando no próximo dia, 20/12/2009, domingo.

    Agradeço desde já, por me ajudarem.

    Um grande abraço!

    Obs.: talvez seja ignorância minha, mas eu gostaria de uma garrafa de vinho tinto.

  • Carlos Kater

    Achei muito interessante a reflexao de vcs sobre o Don Luis. Sera que poderiam me fazer uma sugestao de tinto interessante e com relacao custo/beneficio, pois necessito comprar umas 5 caixas para o casamento de minha filha em Dezembro?

    Agradeco desde ja toda sugestao
    Carlos

  • Edgard

    Eu provei recentemente o Don Luis Merlot. Apresentou amargor excessivo, entre outros defeitos já citados. Decepcionante, pois o cabernet-sauvignon da mesma linha é, relativamente para os vinhos da mesma faixa de preço, muito bom.

  • Messias Regilio

    Jackson,

    Eu já escrevi em outro blog, mas vejo que o que quero saber é mais pertinente neste blog.

    Tem um vinho Chileno que tomei certa vez com nome parecido com Echeverechia. Na época me pareceu bom mas nunca mais encontrei no mercado. Você conhece e recomenda?

    E quanto aos Ventisqueiros, tipo Quelat e Green, com uva Cabernet Sauvignon?

    Abraços,

    Messias

  • http://www.qvinho.com.br Jackson

    Sim. A Carménère é a grande vedete das uvas tintas no Chile. A razão para isso é muito simples: marketing. A Carménère possui uma bela história no Chile, algo que a Merlot e Cabernet Sauvignon não conseguem superar, é como a Malbec na Argentina. Nunca podemos nos esquecer que vinho é um negócio e, sendo assim, todos os produtores buscam por diferenciação, um princípio básico de marketing. Muitos produtores chilenos decaíram nos últimos anos, esse é o caso da Cousiño Macul, Undurraga, Canepa, Los Vascos (alguém aqui lembra dessa vinícola que foi comprada por Barons de Rothschild?), porém outros nomes ganharam espaço, como Casa Lapostole, Viña Montes, Chadwick e Errazuriz Ovale, Casa Rivas, além da tradicional Concha Y Toro, que continua muito bem. Esses produtores vão continuar apostando pesado na Carménère e na Sauvignon Blanc, porém vinhos excelentes já são feitos com várias outras uvas, principalmente Cabernet Sauvignon, Syrah, Pinot Noir, Viognier, Semillion e Malbec

  • maru

    Jackson;

    Aproveitando sua degustação de um Merlot Chileno, segue uma dúvida : “Você acha que depois da digamos separação da Merlot e da Carménère, a primeira perdeu em importância (e qualidade) no contexto atual da indústria chilena ?

  • maru

    Interessante a avaliação, o Don Luis Merlot faz parte do meu início de “apreciador de vinhos” . Faz muito tempo, 15 anos talvez, naquela época inclusive, em termos de Chile, eu apreciava mais os Merlot do que os Cabernet Sauvignon de uma maneira geral. Desta forma eu pude presenciar ( e degustar ) a decadência progressiva deste vinho , e há algum tempo ele não está mais na minha relação de “chilenos honestos”. FRACO é o máximo que ele merece . Eu particularmente acho que toda a Cousiño Macul perdeu espaço na industria chilena de vinhos como um todo. Gostaria de ver sua avaliação para o Antiguas Reservas, o vinho imediatamente superior à esse Don Luis.