Errazuriz, Arboleda e Seña

Não consigo entender aquelas pessoas que se dizem apaixonadas pelos vinhos, mas que não demonstram uma real vontade de conhecer o lugar e as pessoas que fazem o vinho. Para mim todo o fascínio de um vinho está intrinsecamente ligado ao lugar e as pessoas que o fazem. Os bons vinhos parecem sempre querer contar uma história, inspiram a uma viagem, sempre repleta de experiências sensoriais. Esse ideal – que é o cerne do QVinho On the Road – foi fortemente ativado na minha visita a Viña Errazuriz, uma vinícola com uma rica história, marcada pela determinação dos seus proprietários. A família Errazuriz está enraizada na história chilena, basta lembrar que seus membros já constituíram quatro presidentes da república, além de inúmeras figuras de importância cultural e econômica. Vale a pena conferir aqui a lista dos ilustres membros da família Errazuriz.

A história da Viña Errazuriz começa pelas mãos de Don Maximiano Errazuriz, que antes de fundar a viña já era um rico homem de negócios, sócio de uma empresa produtora de cobre que chegou a ser responsável por um 1/3 da produção global desse minério. Em 1870, seguindo uma tradição familiar, Don Maximiano resolveu comprar terras para plantar vinhas. O lugar escolhido foi Panquehue, uma pequena vila situada 100Km ao norte de Santiago, numa região conhecida como Valle de Aconcagua. Nascia assim a Viña Errazuriz.

Diferentemente de outras famílias da época, que preferiram plantar suas vinhas nas planícies do Valle do Maipo ou do Valle de Colchagua, Don Maximiano resolveu apostar no Valle de Aconcagua, uma região com maior variação de relevo e de microclimas. Essa decisão mostrou-se acertada, uma vez que a atual Viña Errazuriz é focada em explorar essa variação, procurando elaborar vinhos mais expressivos em função das diferenças de terroir.

Hoje a Viña Errazuriz é administrada por Eduardo Chadwick, descendente direto de Don Maximiano, a sexta geração no controle dos negócios. Eduardo é um visionário, expandiu os negócios criando outros projetos: o Seña, iniciado numa parceria com Robert Mondavi; Arboleda, o projeto pessoal de Eduardo; e finalmente o Viñedo Chadwick, o vinho ícone produzido com uvas do Vale do Maipo. Todas essas marcas possuem uma filosofia diferente, com investidores distintos e equipes próprias de enologia, mas compartilhando a mesma unidade de produção em Panquehue. Com isso as equipes técnicas mantém uma boa integração, formando um grande time.

A minha visita foi conduzida por Edgard Carter, enólogo da Arboleda, e consistiu num passeio por vários vinhedos no Vale de Aconcagua, notadamente no setor chamado de Aconcagua Costa, Seña e a sede da Viña Errazuriz em Panquehue. Edgard explicou em detalhes as diferenças entre cada vinhedo, principalmente a respeito das diversas formações do solo. Mas o que chama a atenção é a enorme quantidade de terra e as inúmeras vinhas novas, um indício inegável do dinamismo da Errazuriz.

Aconcagua Costa ainda está repleto de vinhas novas, um berçário para experimentações, mas certamente será um dos grandes trunfos para a Errazuriz. A proximidade com o mar (14km do oceano) torna essa região mais fria, graças aos ventos gelados do pacífico, um aliado das variedades que gostam de clima mais fresco. O setor costeiro do Vale de Aconcagua já possui 170 ha de vinhedos produtivos (recentemente foram plantados mais 80 ha), com predominância de Sauvignon Blanc, Chardonnay, Pinot Noir e Merlot, mas outras variedades como Viognier, Pinot Gris e principalmente Syrah estão sendo testadas. Até o momento apenas as duas últimas safras (2008 e 2009) do Errazuriz Sauvignon Blanc e do Arboleda Sauvignon Blanc foram rotuladas como Aconcagua Costa. É tudo novidade!

O vale onde estão localizados os vinhedos do Seña é muito bonito, com boa vocação turística, tanto que estava em plena construção um pequeno centro de visitação, encravado numa colina com vista para todo o vale e o monte Aconcagua no horizonte. A área de 350 ha possui Cabernet Sauvignon, Merlot, Cabernet Franc, Carmenère, Petit Verdot, Syrah e Malbec, tudo manejado dentro de princípios biodinâmicos. Existem planos para criar uma maior atração turística para essa área, talvez até mesmo com uma pousada ou spa. Vamos aguardar por novidades.

O quartel general da Errazuriz em Panqueheu é uma típica vila colonial, com uma fantástica casona construída em 1827 e vinhas por todos os lados. Em uma construção anexa ficam as enormes salas de cubas e de barricas. Ao lado do pavilhão anexo a antiga casona está sendo construída uma bodega boutique –  a Don Maximiano Icon Winery – que servirá para a produção do vinho ícone de mesmo nome. Uma bela construção, com uma fachada futurística envidraçada, voltada para o vinhedo Max I.

A turma da Errazuriz não brinca em serviço, demonstram um grande dinamismo e desenvolvem um trabalho consistente para sempre fazerem o melhor. Estão apostando pesado na área costeira do Vale de Aconcagua, será uma pista sobre o perfil do futuro vinho chileno? Acredito que sim, quase todos os produtores sérios estão interessados em produzir vinhos mais frescos e elegantes (pelos menos em tese), principalmente das variedades Sauvignon Blanc (o resultado já é visível), Pinot Noir e Syrah. Clima e terreno favorável para isso já existem.

Errazuriz Single Vineyard Sauvignon Blanc 2009 – Aconcagua Costa

Feito com uvas do vinhedo Manzanar no setor costeiro do Vale de Aconcagua. Ótimo aroma, frutas tropicais discretas, notas cítricas de toranja e sutil toque de ervas. Na boca é equilibrado, com agradável acidez e final remetendo a sensações minerais. Delicioso.

Arboleda Sauvignon Blanc 2009 – Aconcagua Costa – R$85

Outra expressão de Sauvignon Blanc, também de Aconcagua Costa, mas de um vinhedo diferente daquele do Errazuriz Single Vineyard. Nariz com bela complexidade, sutil aroma de peras e muitas notas minerais e herbáceas. Ótimo na boca, a acidez viva garante o frescor. Um branco refinado e fácil de beber.

Errazuriz Wild Ferment Chardonnay 2007 – Valle de Casablanca

Como o nome sugere, esse Chardonnay é fermentado com leveduras selvagens, uma opção para deixar o vinho mais “original” ao seu terroir. Aroma intenso, frutas tropicais aparecem de imediato, porém sem exagero de doçura; abacaxi, frutas secas, notas de fermentação em barrica. Bom corpo, não é enjoado, tem um certo frescor e complexidade. 70% do vinho passa por fermentação malolática, posterior maturação com borras (sur lie) de 10 meses em barricas de carvalho francês (17% novas).

Arboleda Chardonnay 2007 – Valle de Casablanca – R$85

Um Chardonnay de estilo ligeiramente diferente do Errazuriz Wild Ferment, mas igualmente gostoso e bem feito. Frutas como abacaxi e pêssegos amarelos dominam; toques tostados também aparecem com intensidade, com algumas agradáveis notas minerais e toques tostados. Na boca é cremoso e equilibrado, com ótimo final. Fermentado em barricas de carvalho francês (30% novas), com posterior maturação sur lie de 10 meses.

Errazuriz Wild Ferment Pinot Noir 2008 – Valle de Casablanca

Pinot Noir moderno e exuberante, sem cair na vulgaridade do excesso de madeira e álcool – tem 14%, abaixo da maioria que fica entre 14,5% e até 15%. Aroma intenso com muita fruta vermelha e especiarias, nuances de noz moscada e jasmim ajudam na complexidade. Corpo médio, taninos finos e boa acidez . Maturado por 9 meses em barricas de carvalho francês (50% novas).  Outro vinho feito a partir de leveduras selvagens.

Arboleda Carmenère 2008 – R$85

Um 100% Carmenère produzido com uvas do Valle de Colchagua. Aroma típico, frutas negras maduras, notas de café e carvalho tostado. Tem bom corpo, embora não seja pesadão, apresentou taninos de ótima qualidade. Mostrou qualidade, mas fiquei com a impressão que precisa de mais tempo de envelhecimento. 60% do vinho foi maturado em barrica novas de carvalho, sendo 46% americanas e e 54% francesas.

Arboleda Syrah 2007 – R$85

Outro vinho bem moderno e exuberante, produzido com as uvas de Las Vertientes, no Valle de Aconcagua. Aroma intenso, com frutas passadas, especiarias doces e notas florais em abundância. Encorpado, os taninos volumosos ainda agarram um pouco, mas a boa acidez compensa. Maturado 12 meses em barricas de carvalho (82% novas), sendo 60% americanas e 40% francesas.

Errazuriz Max Reserva Cabernet Sauvignon 2007 – R$78

O carro-chefe da Errazuriz, esse Cabernet é sempre confiável e muito bem-feito, produzido com uvas do Valle de Aconcagua. Aroma agradável, com frutas negras maduras,  sutil toque mentolado e notas da maturação em carvalho. Encorpado e harmonioso, ótimos taninos para um jovem Cabernet. Final longo e gostoso. Um corte de Cabernet Sauvignon (91%), Cabernet Franc (6%), Petit Verdot (2%) e Syrah (1%); maturação de 12 meses em barricas de carvalho (44% novas), sendo 60% francesas e 40% americanas.

Arboleda Cabernet Sauvignon 2007 – R$85

Esse Arboleda também é produzido com uvas do Valle de Aconcagua, mas de vinhedos diferentes do Max Reserva. Frutas negras maduras, notas herbáceas agradáveis e certos toques caramelados compõem a paleta aromática. Encorpado, mais vigoroso que o Max Reserva, com taninos ainda jovens. Um Cabernet que merece um lugar na adega, pois costuma melhorar significativamente com um pouco de tempo. Corte de Cabernet Sauvignon (88%) e Cabernet Franc (12%); maturação de 12 meses em barricas de carvalho (55% novas), sendo 64% francesas e 36% americanas.

Seña 2007 – R$380

Um dos cinco ícones da Errazuriz – juntamente com o Viñedo Chadwick, Don Maximiano, Kai e La Cumbre. Dentre estes, talvez o Seña seja o mais ambicioso, um projeto firmemente enraizado no Valle de Aconcagua. O Seña 2007 mostrou-se jovem, um pouco tímido, embora já exiba um belo perfil aromático. Nariz discreto, embora agradável e remetendo a aroma de frutas vermelhas frescas, com sugestão de cedro, carvalho tostado e minerais. Excelente na boca, sedoso, equilibrado e surpreedentemente fresco. Precisa de um pouco mais de tempo para revelar toda a sua personalidade. Um corte de Cabernet Sauvignon (57%), Carmenère (20%), Merlot (12%), Cabernet Franc (6%) e Petit Verdot (5%), com maturação de 20 meses em barricas novas de carvalho francês.

Dom Maximiano Founder’s Reserve 2007 – R$255

O vinho ícone mais antigo da Errazuriz, sempre entre os melhores do Chile e sem custar os valores proibitivos dos seus irmãos mais novos. Produzido com vinhas velhas da propriedade de Panquehue, mais continental que o setor onde está localizado o Seña. Não é tão sedoso quanto o Seña, talvez em parte por empregar mais Cabernet Sauvignon e nada de Carmenère. Ligeiramente mais sério que o Seña, com frutas negras discretas, especiarias e caixa de charutos . Muito bom na boca, encorpado e vigoroso, taninos jovens de excelente qualidade. Um vinho clássico e refinado, num estilo próximo ao de Bordeaux. Corte de Cabernet Sauvignon (79%), Cabernet Franc (9%), Petit Verdot (8%) e Syrah (4%), com maturação de 20 meses em barricas novas de carvalho francês.

Importadoras:

  • Errazuriz: Vinci
  • Arboleda e Seña: Expand

Visitas:

A Viña Errazuriz fica na cidade de Panquehue a pouco mais de 100km de Santiago. Veja a localização exata pelo Google Maps:

Veja o mapa da região

* * *

Este post faz parte da série On the Road 2009. Clique aqui |+| para ler mais artigos sobre o Chile e a Argentina. Clique aqui |+| para ler sobre outras viagens dos editores.

  • Pingback: Viña Almaviva EPU 2008

  • http://acrossato2610@gmail.com acros

    Comprei sem conhecer algumas garrafas de Max Reserva Merlot 2009. A 1ª delas degustei com alguns amigos no domingo passado. Todos o elogiaram muito. Um excelente Merlot.
    Na próxima vez que viajar ao Chile já tenho um programa para faze: visitar a Errazuris…

  • Pingback: Ventisquero: Vindima 10 anos

  • odairjose

    gostei muito do artigo parabens
    gostaria de receber noticias sempre

  • CARLOS

    MUITO BOA MATERIA, PARABÉNS! ABRAÇÃO

  • Pingback: Caliterra Cenit

  • Alessandro

    Jomar,

    Irei ao Chile em Julho e pretendo conhecer também a Errazuriz. Peço dicas para comprar e trazer alguns rótulos que por aqui são muito caros.

    Grato.

    Alessandro.

  • http://www.vivendoavida.net silvestre

    Maravilha de postagem !

    Veja o dia que um Errazuriz Kai bateu grandes vinhos, Opus One, Chateau Haut-Brion, Château Lafite Rothschild e um Sassicaia !

    http://www.vivendoavida.net/?p=3346

    • http://www.qvinho.com.br Jomar

      Legal Silvestre, essas degustações organizadas pelo Eduardo Chadwick e pelo Steven Spurrier são fantásticas, uma grande sacada do Eduardo para promover os vinhos chilenos.

  • http://www.asacom.com.br Sandra

    Experimentei o errazuriz single vineyard carmenere 2008 e fiquei maravilhada, é um vinho excelente.Recomendo!
    Se tiverem boas dicas de carmenere por favor me indiquem.Parabéns pelo site, adorei as fotos da vinícula e a matéria.

  • simone

    achei maravilhoso conhecer toda história de susseso da errazuriz. parabéns a todos.

  • Faissal

    Já conheço de longa data os vinhos Arboleda, sendo que o cabernet sempre está entre os meus favoritos. Agora preciso provar os outros.

  • Tony

    Uau! Post completíssimo! Vou procurar esses vinhos por aqui.

  • Eloise

    Parabéns pelo artigo. Ficou ótimo! Eloise