Viña Santa Carolina

A jornada do QVinho On The Road 2009 teve início em Santiago. Após um rápido reconhecimento do terreno na capital chilena — com ênfase para a gastronomia — partimos para um agradável passeio num típico domingo de veraneio (sol, vento frio e água gelada) em Viña Del Mar. Com direito a estresse para conseguir vaga de estacionamento na badalada praia de Reñaca, até engarrafamento de mais de 1 hora na volta para Santiago. Tudo bem, para nós nem é de estranhar, já estamos acostumados as filas e engarrafamentos. Depois desses momentos de descontração partimos para o trabalho. Para nossa primeira entrevista agendamos uma das mais antigas e tradicionais vinícolas chilenas, a Viña Santa Carolina. Fundada em 1875, a Santa Carolina integra hoje o guarda-chuva de marcas da Carolina Wine Brands, que controla outras quatro marcas: Viña Casablanca, Antares, Viña Ochagavía e Finca El Origem, sendo esta última uma operação em terras mendocinas.

Para dar uma idéia da dimensão da Carolina Wine Brands — parte do Watt´s S/A, maior conglomerado agroindustrial do Chile — só em área de vinhedos são mais de 2 mil hectares localizados nas principais regiões do Chile e Argentina, com vendas estimadas em 2,2 milhões de caixas (de 9 litros), totalizando um faturamento de US$40 milhões. Nada mal! Mas o que mais impressiona, não só na Santa Carolina, mas no povo chileno em geral, é o aguçado faro comercial e a capacidade de se reinventar. A Santa Carolina é um bom exemplo, depois de muitos anos produzindo vinhos de qualidade mediana, e com foco no volume, a empresa passou por um processo de modernização. Desde os pilares, apostando em vinhedos de baixo rendimento localizados em regiões privilegiadas, até novos equipamentos e contratação de consultores e técnicos de primeira linha. Para acompanhar essa modernização a Santa Carolina investiu também na reestilização dos rótulos e no seu belo e amplo espaço para a recepção dos turistas, aproveitando a arquitetura secular da vinícola.

O resultado de todo esse investimento já pode ser visto quando provamos os principais rótulos do grupo. Em nossa visita a Viña Santa Carolina conversamos com Cristián Benavente, diretor de exportações da América Latina, e Iván Martinovic, enólogo da Santa Carolina. Na degustação provamos vinhos da marca clássica Santa Carolina e da vinícola boutique, a Viña Casablanca, mais focada em pequenas produções, e em explorar principalmente o terroir do Vale de Casablanca. Como principais méritos visualizo a capacidade da Santa Carolina oferecer vinhos economicamente acessíveis, porém com os olhos voltados a qualidade. Desde os rótulos da linha Reserva, passando por Reserva de Família, até chegar nos rótulos mais caros, encontramos vinhos com identidade bem definida e com acabamento cuidadoso.

Viña Casablanca Nimbus Sauvignon Blanc 2008 (R$59)

Produzido pela vinícola boutique do grupo, a partir de parcelas selecionadas de vinhedos plantados em 1994 no Vale de Casablanca, o Nimbus Sauvignon Blanc 2008 expressa com muita clareza o melhor estilo do Sauvignon Blanc chileno. Intenso e fresco, com nítidas notas cítricas, frutas tropicais e um certo toque mineral. Na boca é mais estruturado que maioria dos sauvignon blancs que provamos, porém é bem equilibrado graças a uma excelente acidez e um final longo.

Santa Carolina Reserva de Família Chardonnay 2007 (R$57)

Delicioso Chardonnay, da linha mais tradicional da Santa Carolina, produzido com uvas do vinhedo Santa Isabel, em Casablanca. Apresentou um perfumado e complexo bouquet remetendo a damascos, mel, especiarias e um ligeiro tostado dado pela fermentação em barricas de carvalho, mas que não encobre a sua fruta exuberante. Encorpado, sem ser pesadão, numa composição equilibrada entre o álcool e a acidez.

Santa Carolina Reserva Merlot 2007 (R$32)

Um Merlot gostoso, fácil de beber e com uma ótima proposição de valor. Para confeccionar esse vinho foram utilizadas uvas da zona de Los Lingues, em Colchagua. Nariz com boa concentração de frutas vermelhas maduras, e notas de baunilha. Medianamente encorpado, taninos aveludados e um final de boca untuoso e frutado.

Viña Casablanca Nimbus Merlot 2007 (R$58)

Já com o Nimbus Merlot, a produção é muito mais restrita (3 mil caixas), obtido de vinhedos de baixo rendimento da região de Colchagua. Bouquet generoso e elegante. Notas de frutas vermelhas maduras, sem traços de sobremaduração, mescladas com notas especiadas. Ótima concentração, marcada por uma textura macia e um final longo.

Viña Casablanca Nimbus Syrah 2007 (R$58)

Mais um bom exemplo de ótimos resultados com vinhos tintos confeccionados com uvas do Vale de Casablanca. O resultado é um Syrah mais feminino e elegante, quando comparado aos bombadões e indigestos Syrahs de clima quente. Muito aromático, em destaque ameixas negras e cassis, mescladas a notas florais e especiarias negras. Bom equilibrio com a madeira. Volumoso e redondo, exprimindo uma ótima tipicidade da Syrah.

Santa Carolina Reserva de Familia Cabernet Sauvignon 2007 (R$57)

Tipicidade marcante de um bom Cabernet Sauvignon chileno. Nesse rótulo encontramos complexidade e concentração de frutas para não desapontar nenhum fã dessa uva. O nariz exprime um bouquet intenso e complexo, remetendo a frutas negras como ameixas e cerejas; especiarias como pimenta negra e tabaco. Potente, mas sem deixar de lado a elegância, o Reserva de Família apresentou taninos de excelente qualidade e um longo final de boca.

Importadora: Porto a Porto / Casa Flora

Visitas:

Do centro de Santiago são apenas 5 minutos para chegar na Santa Carolina, o que faz do passeio uma excelente pedida para iniciantes e conhecedores.

Rodrigo de Araya 1431, Macul. Santiago – Chile | Tel. (56-2) 450 3000
www.santacarolina.cl
tours@santacarolina.cl

Tour básico
Valor: R$28
Inclui tour e degustação de 2 vinhos reserva
Duração: 1:00 hora
Horários: segunda a sábado – 10:00 hrs., 12:30 hrs e 15:00 hrs.
Fechado aos domingos e feriados.

Tour Ícono
Valor: R$60
Inclui tour, degustação de 2 vinhos premium, 1 vinho ícono e 1 saca-rolhas da Santa Carolina
Duração: 1:30 hrs.
Horários: segunda a sexta-feira – 16:30 hrs.
Fechado aos sábados, domingos e feriados.

* * *

Este post faz parte da série On the Road 2009. Clique aqui |+| para ler mais artigos sobre o Chile e a Argentina. Clique aqui |+| para ler sobre outras viagens dos editores.

  • Pingback: Viña Santa Carolina aposta na renovação

  • http://www.deaebe.blogspot.com Bernardo

    Otimo Post!!!

  • rita de cassia lyra

    Iremos ao Chile no final de Abril. Achei suas dicas muito boas. Uma pergunta: dá para ir por conta a Concha y Toro ou outra próxima? O que voce recomenda ?
    Obrigado

  • antonio carlos muniz de oliveira

    OLA!
    EU TRABALHO COM SANTA CAROLINA HA ALGUM TEMPO,POREM,SO RESERVADO.
    DEPOIS QUE EXPERIMENTEI O RESERVA NAO QUE PROVAR OUTRO POR ENQUANTO.
    TRABALHAMOS COM A CASAFLORA E PORTO A PORTO.
    PARABENS E OBRIGADO

  • Pingback: On The Road 2009: Viña Santa Carolina| Casa Flora

  • Juliano Alves

    Jomar, obrigado pelas informações… Vou avaliar os preços e refazer as contas! De qualquer forma, obrigado!

  • http://www.qvinho.com.br Jomar

    Rafael: Sim, a Santa Carolina situa-se bem próxima ao centro. Aliás, é visita obrigatória para quem for a Santiago.

    Juliano: Vale a pena até certo ponto, uma vez que as bodegas pequenas, principalmente as argentinas, estão cobrando valores muito altos nas suas lojas. Outra coisa importante é o peso das garrafas na volta. Planeje bem, pois o limite para não pagar excesso de bagagem é de 30 quilos. Acima disso você terá que pagar quase 9 dólares por quilo excedente. Não vale a pena pagar excesso de bagagem para trazer vinhos básicos.

  • Juliano Alves

    Gostaria inicialmente elogiar o projeto da viagem de vcs editores do blog, excelente idéia! Mas a minha dúvida é a seguinte, comprando exemplares diretamente nas vinículas do Chile e Argentina pagamos valores bem diferentes (menores) do que encontramos no mercado nacional (produtos trazidos pelas importadoras). Gostaria de saber porque tenho uma viagem a fazer para os dois países, e se a diferença no preço das garrafas for significante, irei esperar para reabastecer minha adega diretamente da fonte!!! Desde de já, agradeço a colaboração…

  • Pingback: Restaurante Astrid & Gastón em Santiago

  • Rafael

    Opa! Grande dica. Em julho estarei em Santiago e pretendo visitar algumas bodegas. Quer dizer que essa é próxima ao centro?

    Abraço!