Ventisquero Reserva Cabernet Sauvignon 2005

Vinho chileno Ventisquero Reserva Cabernet Sauvignon 2005A Viña Ventisquero é um vinícola relativamente nova, porém já parece ter consolidado sua participação no mercado brasileiro. Nada mais justo, já que seus vinhos apresentam uma qualidade muito consistente. A Ventisquero possui uma ampla gama de rótulos, dos mais acessíveis ao super premium Pangea, que curiosamente não tem inspiração bordalesa. Trata-se de um Syrah produzido no vinhedo de Apalta (talvez o terroir mais disputado do Chile), elaborado em parceria com John Duval, enólogo responsável pela produção do Penfold’s Grange por 29 anos. A Syrah vem ganhando espaço no Chile, vinhos como o Montes Folly e o Pangea deixam claro a intenção dos produtores em criar vinhos premium com essa uva. Acredito que a Cabernet Sauvignon e a Merlot já foram excessivamente exploradas, sendo assim, é bom não esperar grandes novidades com essas uvas. Aposto as minha fichas na Syrah, na Carménère e na Pinot Noir. O vinho degustado da Ventisquero foi o Reserva Cabernet Sauvignon 2005, agradável e suculento, graças ao bom equilíbrio com acidez ligeiramente destacada. Cor rubi com transparência. Aroma de boa intensidade, mostrando cassis e ervas secas, além de notas sutis da passagem pelo carvalho. Corpo médio, com taninos redondos e boa acidez, sem exageros de álcool. Final persistente e agradável. O Ventisquero Reserva Cabernet Sauvignon 2005 é uma ótima pedida, com certeza não irá decepcionar os fãs dos Cabernets chilenos.

Muito Bom
Cabernet bem feito e acessível. Tem ótima intensidade e acompanha muito bem carne grelhada.
Grad. Alcoólica: 13,5%
Preço: R$34
Importadora: Cantu

  • Chico Gil

    Tenho uma predileção especial pelos vinhos Ventisquero. Desde as minhas primeiras experiências enófilas, isso tem aproximadamente 1 ano e meio, que abrir uma garrafa de Ventisquero é garantia de beber um bom vinho. Comecei pelos menos pretenciosos, é claro, e o Sirah Clássico já foi uma boa surpresa e está sempre “frequëntando” minha humilde adega. Logo passei ao Reserva (Sirah e CS) e se confirmou a minha admiração pelos Ventisqueros. Meu objeto de desejo agora é o Pinot Noir Queulat e a história não deve parar por aí.

  • jean araujo

    Esse vinho vale muito a pena! Diria que um vinho repleto de romantismo. Suas tonalidades são marcantes e equilibradas, além de ser extremamente aromático. Viva o deus Baco.