Denis Dubourdieu visita o Brasil e apresenta seus vinhos

Considerado por muitos um dos maiores especialistas da atualidade em vinhos brancos, Denis Dubourdieu esteve no Brasil a convite da importadora Porto a Porto e Casa Flora, para apresentar alguns dos seus principais vinhos. Professor de enologia da Universidade de Bordeaux, desde 1987, Dubourdieu integra a terceira geração de uma tradicional família de viticultores de Bordeaux, e foi responsável por uma revolução nos métodos de vinificação dos vinhos brancos. É provável que muitas pessoas tenham ouvido falar nos fantásticos Sauternes do mítico Château D´Yquem, porém poucas delas, ao menos aqui no Brasil, já ouviram falar do Château Doisy-Daëne. Este último Château, é uma das cinco propriedades da Denis Dubourdieu Domaines, e basta dizer que seu delicioso Sauternes L´Extravagant é comparável e até mesmo considerado superior aos do Château D´Yquem. Não acredita? Talvez pouca gente saiba, mas Dubourdieu assessorou o ilustre château vizinho no processo de “remodernização” dos seus vinhos. Exatamente, Pierre Lurton do Château D`Yquem contou com a consultoria do professor Dubourdieu para melhorar seus Sauternes. Precisa dizer mais alguma coisa?

Denis Dubourdieu, Jomar Brustolin e Fernando Correa - da importadora Porto a PortoDurante essa curta passagem de Dubourdieu pelo Brasil participamos, no último dia 29, do encontro realizado em Curitiba. Com extrema tranqüilidade e simpatia Dubourdieu falou sobre os vinhos de suas cinco propriedades localizadas nas regiões de Sauternes, Graves e Premières Cotes de Bordeaux (Château Reynon, Clos Floridène, Château Haura, Château Doisy-Daëne e Château Cantegril), totalizando 120 ha de vinhedos. E falou, acima de tudo, sobre o prazer de beber. “Não importa o ritual da degustação ou se você consegue ou não decifrar todos os aromas de um vinho. Esqueça tudo isso, um bom vinho é aquele que você aprecia e que lhe dá prazer ao beber!”

A degustação dos vinhos tintos mostrou toda a capacidade desse produtor em fazer vinhos intensos, frescos, com muita fruta e prontos para o consumo. Ao ser questionado sobre o potencial de guarda desses tintos, Dubourdieu brincou: “Eu diria que esses vinhos estão perfeitos para serem bebidos hoje, e muito provavelmente, estarão também muito bons daqui quatro ou cinco anos. Recomendo que vocês comprem uma caixa, assim poderão desfrutar esses vinhos em vários estágios e curtir cada um deles”.

Brincadeiras a parte, concordamos totalmente com Dubourdieu. Vinho é para ser bebido, não cultuado; prática freqüente entre alguns enófilos. Muitos empenham um capital considerável em rótulos famosos, trancafiando as preciosas garrafas em adegas lustrosas, esperando anos pelo suposto “auge”. Essa atitude voyeurista é patética, a não ser que você pretenda virar investidor, ou algo do gênero.

A degustação foi iniciada pelo rosado, seguida pelos tintos e finalizando com os brancos. Surpreso pela ordem? O fato é que os brancos feitos por Dubourdieu são intensos, muito aromáticos e com considerável presença de boca, sendo assim, foram corretamente elencados para o final da degustação. Os tintos são harmônicos, sem exageros de madeira e fruta super madura, que poderiam dissimular o terroir desses vinhos. Os brancos são deliciosos, intensamente perfumados com uma mistura de grapefruit, maracujá, pêssegos e flores. Aliás, essa mesma paleta pode ser encontrada no rosado, uma prova da força do terroir.

Le Rose de Floridene 2006, Château Haura Rouge 2005, Château Reynon Rouge 2005, Château Doisy-Daene Sec 2006 e Château Categril Sauternes 2005

Le Rosé de Floridène 2006

Bela cor rosa pálida. Morangos, citrinos e notas florais dominam a paleta aromática. Leve e equilibrado; fascina pela sutiliza e frescor do seu acabamento. Um vinho de excelente relação qualidade/preço, perfeito para momentos de descontração. Ao contrário de outros rosados, o Floridène é produzido a partir de uma parcela especial do vinhedo, identificada como tendo as melhores características para esse vinho (R$55).

Château Haura Rouge 2005

Cor púrpura intensa, com lágrimas levemente tingidas denunciam a juventude desse vinho. Bouquet muito agradável lembrando frutas negras maduras, eucalipto, toque defumado e intensas notas florais. Na boca mostra-se firme, com taninos de ótima qualidade (R$95).

Château Reynon Rouge 2005

Este saboroso tinto (80% merlot e 20% Cabernet Sauvignon) apresentou uma cor semelhante ao Haura e leve transparência. Com boa complexidade, o Reynon Rouge mostrou um nariz frutado, com muitas notas tostadas e toque floral. Bom corpo, taninos de juventude, final longo e agradável (R$100).

Château Doisy-Daëne Sec 2006

Sauvignon Blanc de grande expressão, um verdadeiro achado. O Doisy-Daëne é intensamente perfumado, com pêssegos brancos, toranja, maracujá e muitas notas florais. Tem boa presença na boca e grande frescor. Esse branco pode evoluir muito bem, mas francamente, já está excelente agora (R$110).

Château Cantegril Sauternes 2005

Por último só poderia ficar o Sauternes. Proveniente de uma privilegiada região de solo calcário de pouca profundidade e ótima permeabilidade, o Cantegril é irresistível. Um carrossel de frutas tropicais; exalando intensas notas de abacaxi, mousse de maracujá, flores e citrinos, além, é claro, do indefectível toque de botrytis. Na boca é muito harmonioso, doce e cremoso, porém muito fresco, graças ao equilíbrio entre acidez e álcool. Vinho maravilhoso e versátil (R$130 – 500ml).

  • Pingback: Château Climens 1997 | QVinho

  • http://www.qvinho.com.br Jomar

    Edmar, os vinhos fortificados são os melhores companheiros para o charuto. Porto e Madeira são os tipos mais conhecidos, mas não precisa comprar uma garrafa muito cara, uma vez que o charuto acaba sobrepondo as sutilezas do vinho.

  • Edmar

    Olá pessoal,aki estou eu novamente.dando aquela espiadinha e apreciando este trabalho incrível,este site maravilhoso onde encontro de tudo um pouco (ou) tudo. adorei esta pagina falando de vinhos, pois além dos puros brasileiros e cubanos, sou um fã de vinhos, pois por já ter feito muito vinho artesanal junto de minha familia,e gosto de saber o que se passa, quais as novidades,e aqui posso encontrar. gostaria de fazer uma pergunta: qual vinho pode ser degustado acompanhando o puro brasileiro Caravelas? e se existe essa possibilidade.valeu pessoal abraços e sucesso. ah uma dica tenho uma equipe de Barmans e seria legal se vocês tivessem dicas de drink’s,dava até pra fazer uma propaganda do site.rsrs T+

  • Pingback: Eu, Eu Mesma e Tine » Blog Archive » Luluzinha Camp #01

  • Thaise

    Valeu!!

  • http://www.qvinho.com.br Jomar

    Thaise, o Chateau Doisy Daene 2003 pode ser comprado por $40. Além desse Sauternes, você pode comprar o ótimo Chateau Doisy Vedrines 2005 por $35.

  • Thaise

    Conheci esse site http://www.winelibrary.com e queria achar um sauternes em conta por aqui (EUA). Voces podem sugerir algo?

    Obrigada…..

  • Pingback: Degustação às cegas: Vinhos rosados | QVinho - Blog de vinhos, gastronomia e espresso

  • cristina neves

    Participar de uma degustação conduzida por ele é um verdadeiro privilégio já que ele é professor da Universidade de Enologia de Bordeaux há 20 anos.
    No mínimo imperdível!!!

  • cristina neves

    Caros,
    poder participar de uma degustação ao lado do Denis Dubourdieu não é uma honra, já que ele é hoje o mago do vinho branco na França.
    Em sua passagem por São Paulo encantou a todos, expert´s e leigos, com toda simplicidade, mesmo sendo o gênio que é.
    Uma honra para nós brasileiros.

  • Dalton

    É um prazer poder compartilhar desse universo de excelencia e conhecimento.
    Sugestão; desenvolvimento de vinhos mais ascessíveis
    com o mesmo teor de qualidade.
    Um abraço!!!
    Dalton tel- 98664370