Les Brulières de Beychevelle 2001

Les Brulierès de Beychevelle 2001 - Bordeaux produzido pelo Chateau Beychevelle de St.JulienMuito se fala sobre os vinhos do novo mundo; californianos, australianos, chilenos e argentinos têm apresentando qualidade consistente, porém não se engane, Bordeaux continua sendo Bordeaux. Mesmo que os Cabernets e Merlots do hemisfério sul tenham custo mais acessível, é bom deixar de comprar algumas dessas garrafas para provar o que Bordeaux tem a oferecer. Tenho um amigo que só compra Cabernet chileno, principalmente Marques de Casa Concha e Arboleda. Bons vinhos, mas é muito chato beber sempre a mesma coisa. Algo maravilhoso que o mundo do vinho oferece é a diversidade, então para que restringir tudo a meia dúzia de rótulos confiáveis? Sempre vale a pena provar novos vinhos – mesmo que muitos decepcionem – e se você é fã de Cabernet Sauvignon, Merlot e Carménère, que tal começar a conhecer melhor os vinhos de Bordeaux?

Quando me perguntam se um Bordeaux de R$ 150 (de produtor confiável, não aqueles rótulos obscuros do Carrefour) é melhor que um Cabernet chileno (ou argentino) de mesmo preço, sempre respondo: depende do gosto de cada um, todavia uma coisa é certa, o Bordeaux será menos concentrado e intenso, mesmo assim pode surpreender mostrando mais complexidade. E isso é bom ou é ruim? Vou responder com outra pergunta: Que mulher é mais atraente, Ana Hickmann ou Juliana Paes (para exagerar ainda mais a comparação, que tal Sandy e aquela fulana do último carnaval que dizem ter perdido o tapa sexo)?

Para quem pretende descobrir Bordeaux, recomendo começar pelos vinhos de Saint Julien. Situada entre Pauillac e Margaux, St. Julien é frequentemente ofuscada pela vizinhança, uma terrível injustiça, uma vez que seus vinhos podem ser tão bons quanto os grandes de Paulliac. Só para citar um exemplo o Chateau Léoville Las Cases (St. Julien) faz fronteira com a propriedade do Chateau Latour (Pauillac), mantendo os mesmos níveis de qualidade pelo menos há uma década; a diferença é que pode custar até 5 vezes menos!

Provamos o Les Brulières de Beychevelle, produzido pelo Chateau Beychevelle (quarto caldo de St. Julien), que assim como outros chateaux de St. Julien, também tem produzido excelentes vinhos nas últimas décadas. O Les Brulières é denominado como Haut-Medoc, uma vez que as uvas – 66% de Cabernet Sauvignon e 34% de Merlot – provêm de uma parcela externa a área demarcada de St. Julien. Mostrou cor grená com transparência. Nariz de boa intensidade com frutas vermelhas frescas, notas agradáveis de carvalho tostado, ervas secas e toque floral sutil. Corpo médio, taninos finos e excelente acidez. Final agradável e com boa persistência. O Les Brulières não decepcionou, tem um apelo imediato, fácil de gostar e de combinar na cozinha.

Muito Bom

Bordeaux bem feito e acessível. Não espere um vinho potente e encorpado, mas sim, harmonia e uma certa complexidade.

Grad. Alcoólica: 12,5%
Preço: R$160
Importadora: Petit Chateau

  • Sergio Mendes Intervinos

    Olá Parabéns pelas matérias!!!!Trabalho no mundo do vinho há oito anos e quando comecei no ramo o real estava valorizado e muita gente comprava vinhos estrangeiros e agora está acontecendo umas situações inusitadas:o Real está desvalorizando e em contrapartida o dólar também,com isso vale a pena comprar vinhos de fora!!!Aproveitem!!
    Ao dispor
    Sergio Mendes Intervinos

  • Pingback: Wine Dinner com George Nony apresenta os vinhos do Chateau Labat e Chateau Caronne | QVinho - Blog de vinhos, gastronomia e espresso

  • Roberson

    Uma boa sugestão de iniciação aos Bordeaux são os vinhos Cru Bourgeois. Na classificação eles vêm logo abaixo dos Premiere Cru e Gran Cru e podem ser encontrados por aqui em torno dos R$ 100,00. Tomei recentemente dois muito bons: Chateau Potensac e Chateau Barateau, ambos do Medoc.